Alckmin libera acesso às investigações sobre cartel em obras do metrô

Governo de SP divulgou na internet as atas de reuniões do grupo de trabalho que acompanha o caso Siemens após receber críticas sobre a falta de divulgação pública dos documentos

Ricardo Chapola , O Estado de S. Paulo

24 de setembro de 2013 | 20h17

O governo de São Paulo publicou nesta terça-feira, 24, as atas das reuniões do grupo externo responsável por acompanhar as investigações sobre formação de cartel em obras do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

O Estado revelou nesta segunda-feira que membros da própria comissão, instalada em 9 de agosto, reclamavam da falta de divulgação pública dos documentos e dos relatos feitos pela Corregedoria-Geral da Administração (CGA) sobre o andamento dos trabalhos em torno do caso Siemens.

O governo do Estado divulgou no site da Corregedoria atas de duas das três reuniões realizadas pelo grupo externo desde a sua formação. Nelas, a comissão, formada por 12 entidades da sociedade civil, cobrou duas vezes para que a corregedoria publicasse os documentos na internet.

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) montou a comissão em agosto prometendo transparência no acompanhamento das investigações do caso Siemens. Nesta segunda, questionado sobre o fato de os documentos analisados pela comissão ainda não terem sido divulgados, Alckmin afirmou: "Não sei por que não foi publicado. Vai ser publicado. O que não pode ser publicado é o que esteja sob sigilo de Justiça, não que a gente não queira".

Por duas vezes também o grupo externo cobrou a troca de seu nome de batismo de acordo com as atas divulgadas nesta terça. Inicialmente batizado como Movimento Transparência, o grupo foi renomeado, a pedido das entidades, como Grupo Externo de Acompanhamento. Alguns participantes ficaram incomodados com o caráter midiático da medida.

Tudo o que sabemos sobre:
Geraldo AlckminMetrô SPCPTM

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.