Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Alckmin já articula palanque com França e Skaf em 2022

O ex-governador está em tratativas para se filiar ao PSD, mas não tem pressa para anunciar um novo partido

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

21 de julho de 2021 | 05h00

Isolado no PSDB desde que o vice-governador Rodrigo Garcia deixou o DEM e se filiou ao partido para disputar o Palácio dos Bandeirantes no ano que vem, o ex-governador Geraldo Alckmin articula a formação de uma chapa com os principais adversários do governador João Doria. Sem ocupar cargos públicos desde que recebeu menos de 5% dos votos nas eleições presidenciais de 2018, Alckmin revelou a amigos e aliados que pretende sair do PSDB.

Cortejado por PSB e PSD, o ex-governador jantou na semana passada com o ex-governador Márcio França (PSB), o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, que é filiado ao MDB, e o presidente do PSD, Gilberto Kassab, para discutir a formação de um palanque unificado em São Paulo. Pelo cenário desenhado no encontro, que ocorreu na casa de Skaf, o empresário disputaria o Senado pelo PSD ou outra sigla e Alckmin seria candidato a governador com França na vice.

Derrotado na disputa pelo governo paulista em 2018, Skaf deve deixar o MDB, que está alinhado com o projeto de Doria e Garcia, e admite concorrer a uma cadeira no Senado por outra sigla em 2022. Alckmin, França e Kassab têm conversado regularmente. O ex-governador está em tratativas para se filiar ao PSD, mas não tem pressa para anunciar um novo partido.

Padrinho político de Doria em 2016, quando o empresário foi eleito prefeito, Alckmin e o atual governador estão rompidos desde a campanha de 2018. Um dos fundadores do PSDB, o ex-governador se viu isolado no partido com a chegada de Garcia. Em uma reunião realizada anteontem, a executiva estadual tucana decidiu abrir inscrições para a disputa de prévias para escolher o candidato ao governo. A eleição paulista será no dia 21 de novembro, junto com as prévias nacionais nas quais Doria disputa como favorito.

O presidente do PSDB-SP, Marco Vinholi, pediu a Alckmin, por meio de emissários, que indique um nome de sua confiança para compor a comissão das prévias no Estado. Esse movimento é uma tentativa de esvaziar o discurso de Alckmin. Aliados de Doria gostariam que o ex-governador disputasse uma vaga de deputado, para fortalecer a bancada do partido, ou que concorresse ao Senado.

No último dia 13, lideranças tucanas não alinhadas com Doria e Garcia e ex-prefeitos se reuniram com Alckmin. Segundo revelou a coluna Direto da Fonte, o ex-governador ouviu apelos para não deixar o PSDB. Antes de ir embora, Alckmin fez um desabafo: “Não tenho confiança nessas prévias”. Procurado pela coluna, o ex-governador não se manifestou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.