Alckmin ignora FHC e ataca prefeito

Tucano continua a explorar as ligações de Kassab com Maluf, Pitta e Quércia

Ana Paula Scinocca, O Estadao de S.Paulo

27 de setembro de 2008 | 00h00

O candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, Geraldo Alckmin, ignorou ontem o conselho do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e continuou a explorar as ligações do candidato do DEM, Gilberto Kassab, com os ex-prefeitos Paulo Maluf (PP) e Celso Pitta e com o ex-governador Orestes Quércia (PMDB). Na véspera, o ex-presidente pediu que o tucano e Kassab deixassem de trocar farpas.Em resposta ao prefeito e candidato à reeleição - Kassab disse que Alckmin estava irreconhecível -, o tucano insistiu: "Eu continuo o mesmo Geraldo Alckmin que fundou há 20 anos o PSDB e é companheiro de Covas (Mário), Serra (José) e do Fernando Henrique. Eu não mudei. Não apoiei Maluf, não fui secretário do Pitta e nem aliado do Quércia."Em carreata e caminhada pela zona leste, no início da noite, Alckmin também respondeu a Fernando Henrique. "Eu sempre estou zen. Eu não grito com ninguém. Agora, luz sobre a verdade. Isso é dever de quem faz política", afirmou, ressaltando que até a eleição, no domingo, vai continuar a "explorar" as diferenças entre ele e Kassab. O tucano e o atual prefeito travam uma guerra para conseguir vaga no segundo turno. Marta Suplicy (PT) está com o passaporte garantido, segundo as mais recentes pesquisas.Antes de ser informado do resultado da última pesquisa Ibope, contratada pelo Estado e pela TV Globo - Alckmin oscilou um ponto para baixo e Kassab subiu quatro pontos porcentuais -, o tucano disse acreditar que estará no segundo turno. Perguntado como receberia, então, o apoio de Kassab, em meio a tantas críticas, minimizou: "Não estou fazendo crítica pessoal. Segundo turno é outra eleição." À tarde, antes de participar da carreata na zona leste, o tucano se reuniu com esportistas. À saída do evento, disse que Kassab faz "a campanha da intriga". "As pessoas não são bobas. Subestimar a inteligência das pessoas é um grande erro. Eu lamento muito esse comportamento de só fazer campanha minando o PSDB", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.