Alckmin faz vistorias no interior acompanhado por equipe de campanha

Impedido de inaugurar obras por causa da legislação, governador visitou duplicação de rodovia no interior

GUSTAVO PORTO, Agência Estado

10 de julho de 2014 | 14h34

Atualizado às 21h06 - O governador de São Paulo e candidato à reeleição, Geraldo Alckmin (PSDB) aproveitou a manhã desta quinta-feira, 10, para, na região de Ribeirão Preto (SP), gravar imagens com uma equipe de sua campanha à reeleição. Utilizou para isso uma série de vistorias nas obras de duplicação e melhorias em 34 quilômetros da rodovia Abraão Assed (SP-333) entre os municípios de Serrana (SP) e Cajuru (SP).

Em Serrana, último local de vistoria, grande parte das obras estava interrompida por causa da impossibilidade de movimentar a terra após a chuva que atingiu a região na noite anterior. Segundo a Leão Engenharia, empresa responsável pelo trecho de 14 quilômetros de duplicação da rodovia, as obras normalmente só são retomadas em áreas com terra após uma estiagem mínima de 48 horas.

Alckmin chegou ao local no final da manhã acompanhado dos deputados tucanos e candidatos à reeleição Duarte Nogueira (federal) e Welson Gasparini (estadual), ambos de Ribeirão Preto. Vestiu um colete e um capacete, se reuniu com representantes da empresa de engenharia e, em seguida, caminhou por um trecho no qual foi previamente colocada uma camada de brita para encobrir o barro.

Em seguida, o governador deu declarações sobre a obra e política e tomou café no refeitório. Antes de ir embora, Alckmin ainda voltou para perto da construção de uma ponte e deu novas declarações para a imprensa, também captadas pela equipe de filmagem de sua campanha.

O governador negou que a visita possa ser classificada como campanha eleitoral, mas defendeu as vistorias de obras - a lei o impede de participar de inaugurações. "O que estamos fazendo são vistorias. A campanha eleitoral começa em 19 de agosto, que é quando começa o horário eleitoral do rádio e da tevê", disse. "Estamos trabalhando, percorrendo o Estado de São Paulo e ouvindo a população, porque mais quanto mais a gente ouve, menos a gente erra", concluiu Alckmin.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.