Igor Estrela/Estadão
Igor Estrela/Estadão

Alckmin fala em dar trator a produtor rural; Bolsonaro, em armar com fuzil

Ambos falaram em dar segurança jurídica e pública no campo em evento do setor agropecuário em Brasília

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

16 Maio 2018 | 18h39

BRASÍLIA - Adversários na disputa pela Presidência da República, o deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ) e o ex-governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB) fizeram hoje propostas diferentes para uma das principais reclamações do agronegócio no Brasil, a insegurança e conflitos no campo. Questionados sobre o porte de arma para proprietários de terras e trabalhadores rurais, Bolsonaro disse que defendia o direito do produtor rural de ter um “fuzil”; Alckmin, por sua vez, pregou o combate aos criminosos e disse que o produtor precisa de um “trator”.

+ Alckmin nega rompimento e diz que PSDB vai apoiar DEM nos Estados

+ Ruralistas devem se dividir entre candidatos

“No que depender de mim, o homem do campo vai ter fuzil em sua propriedade”, disse Bolsonaro a veículos de imprensa especializados no setor, repetindo a proposta que se tornou bandeira de sua campanha e de atuação de seus aliados no parlamento. Bolsonaro também classificou como criminosas ações do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

“Cada produtor rural deve ter um trator para poder produzir, alimentar o povo e aumentar a produtividade”, respondeu Alckmin, ao ser indagado se concordava com a ideia do adversário. “É intolerável ter invasão de propriedade. Invadiu, ‘desinvade’. É imediato. Nós temos é que prender bandido, isso sim. Não é discurso, é fazer. Não é promessa, é o que efetivamente já foi feito”, disse ele, destacando redução de índices de criminalidade em São Paulo.

+ Segurança vira demanda dos ruralistas na eleição

O tema está em discussão no Congresso Nacional, como uma alteração no Estatuto do Desarmamento. Os dois pré-candidatos visitaram hoje a feira AgroBrasília, realizada na zona rural da capital federal. Ambos falaram em dar segurança jurídica e pública no campo.

Bolsonaro afirmou que sua primeira proposta para o setor é “não atrapalhar” o agronegócio. Alckmin falou em ampliar a pesquisa, seguro de renda, melhorar a logística, a sanidade vegetal e animal e apresentar um plano plurianual de crédito. “Nossa grande vocação é agroindustrial”, disse o tucano.

+ Bolsonaro sinaliza preferência por Magno Malta para vice

Os dois pré-candidatos disputaram a atenção de visitantes e expositores na feira. A claque de militantes de Alckmin era maior, mas Bolsonaro foi mais tietado. Havia carros adesivados com o nome do deputado e fãs trajados com camisas dele. Um deles era o estudante de Administração Francisco Cenci, de 24 anos, que vestia uma camiseta preta estilizada com o rosto do parlamentar do PSL e a inscrição “Bolsonaro presidente”.

Ele virou a camiseta do avesso para tentar uma foto ao lado de Alckmin. “Estou em dúvida. Ele (Alckmin) é meu segundo voto”, disse. Questionado se tinha a preferência do setor, Bolsonaro afirmou que hoje nenhum pré-candidato “domina nada”.

Relembre

Conforme reportagem do ‘Estado’ publicada em 6 de maiodados oficiais do governo de Mato Grosso, maior produtor de grãos do País, mostram uma alta de 60% nos registros de roubos e furtos no campo entre 2014 e 2017. No mesmo período, houve incremento de 20% dos índices em Goiás, de 7,5% no Rio Grande do Sul e de 4% em Minas Gerais - onde a média dos últimos dois anos é de 139 casos por dia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.