Alckmin evita polêmica com Marta

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), não quis responder às críticas da prefeita de São Paulo, Marta Suplicy, que disse esperar mais apoio da bancada federal paulista e do governo do Estado no combate a problemas que atingem a cidade, como as enchentes. "Quando um não quer, dois não brigam", disse Alckmin. "Eu não vou colaborar para alimentar uma briga política porque quem acaba sofrendo é a população", acrescentou.Durante entrevista concedida à Rádio Eldorado AM/FM, na última quarta-feira, a prefeita queixou-se da falta de ações concretas dos governos federal e estadual, citando como exemplo a promessa de liberação de recursos federais para obras contra enchente nos córregos do Aricanduva e do Pirajuçara, que ainda não foi cumprida. Marta Suplicy disse que, a seu pedido, Alckmin comprometeu-se a falar com o presidente Fernando Henrique Cardoso para viabilizar a obtenção de recursos para as obras no Pirajuçara.CPMFO governador disse que já conversou com o presidente Fernando Henrique Cardoso. O presidente pediu que aguardasse a aprovação da CPMF para a liberação dos recursos. "Como a CPMF não foi aprovada ainda, mas está na reta final de aprovação, no Senado, os recursos deverão sair em breve", disse Alckmin. Ele assegurou que já conversou com a prefeita sobre essa questão.Ele lembrou que o governo federal liberou, por medida provisória, na semana passada, R$ 20 milhões. Metade deste dinheiro destinava-se à Prefeitura de São Paulo e metade para o governo paulista. "Vamos usar os nossos R$ 10 milhões na Bacia do Pirajuçara", garantiu Alckmin. Ele previu a assinatura de contratos para obra já na próxima semana. "Em relação ao que está no Orçamento, cabe ao governo federal liberar", acrescentou Alckmin. Segundo ele, a Prefeitura de São Paulo tem a receber R$ 30 milhões e o governo do Estado, R$ 40 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.