Alckmin evita petista e vê rivais se aliarem

O debate que reuniu ontem os candidatos ao governo de São Paulo, na TV Globo, foi marcado pela tentativa de Geraldo Alckmin (PSDB) de isolar seu principal adversário, Aloizio Mercadante (PT), ao não fazer perguntas a ele. O tucano, favorito segundo as pesquisas, foi o alvo preferencial dos rivais. Quando teve oportunidade de fazer perguntas, Alckmin se dirigiu duas vezes a Paulo Skaf (PSB), uma a Fábio Feldmann (PV) e uma a Paulo Bufalo (PSOL). Mercadante acusou o tucano de atacá-lo na propaganda eleitoral e de "fugir" do confronto no programa ao vivo.

DANIEL BRAMATTI, Agência Estado

29 de setembro de 2010 | 01h50

"Falar mal de mim no programa eleitoral é fácil, quero ver chegar aqui e sustentar o debate. No segundo turno ele não terá como fugir", disse Mercadante. Alckmin, antes de fazer a Paulo Bufalo uma pergunta sobre resíduos sólidos, atacou o candidato petista de maneira indireta. "O PT, que quer restringir a liberdade de imprensa, agora quer restringir meu direito de escolher a quem perguntar." Na primeira oportunidade em que pôde se manifestar, Mercadante reagiu. Disse que o tucano "atacou o PT pelas costas", em vez de debater com ele diretamente.

Números e respeito. Terceiro colocado nas pesquisas, Celso Russomanno (PP) se envolveu em um bate-boca com Alckmin, depois de afirmar que jovens "fogem" do interior do Estado por falta de empregos.

O tucano, que governou o Estado de 2000 a 2006, contestou e afirmou que o interior paulista tem economia mais forte que alguns países sul-americanos. Na réplica, Russomanno comparou o Estado descrito por Alckmin com "o da Alice no País das Maravilhas". Ironizou ainda o adversário por citar diversos números em suas intervenções. "Seus números são fantasiosos. O senhor conhece números para chuchu." Alckmin protestou e pediu respeito.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições 2010DebateTV GloboSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.