Alckmin evita falar de vitória em primeiro turno

O candidato do PSDB ao governo do Estado, Geraldo Alckmin, disse hoje que, apesar de sua boa colocação nas pesquisas eleitorais, não trabalha com a hipótese de vencer as eleições em primeiro turno. "A eleição é de dois turnos e nós vamos trabalhar com humildade. Estamos fazendo a campanha, levando sempre o nome do José Serra para presidente e de nossos candidatos ao Senado, numa campanha séria, mostrando os avanços que São Paulo já deu e os próximos avanços que vai dar", afirmou, ao destacar que pretende acabar com a manutenção de presos em delegacias e melhorar o salário dos policiais de todos os níveis.

JAIR ACEITUNO, Agência Estado

07 de agosto de 2010 | 16h10

Quanto à situação de José Serra, Alckmin avaliou que na eleição federal há um empate técnico. "É uma eleição disputada olho-a-olho e eu acho que vai para segundo turno, com o Serra tendo muita chance de ganhar." Classificou o presidenciável como alguém "preparado, que conhece os problemas do Brasil e já foi um bom prefeito, um bom governador e um bom ministro".

Alckmin e comitiva visitaram Jaú para participar de um encontro do voluntariado do Hospital Amaral Carvalho, especializado em câncer e responsável pela execução de 25% dos transplantes de medula realizados no Brasil. O candidato - que pela manhã estava em Barretos, também visitando o hospital do câncer, disse que esse será um dos setores que merecerá grandes investimentos do seu governo, pois a doença exige especialização e socorro rápido aos pacientes.

Pedágios

Questionado sobre os pedágios, Alckmin defendeu que o modelo de gestão adotado por São Paulo deu ao Estado as dez melhores estradas do País, com menos problemas com pneus e mecânica dos veículos e a redução da taxa de acidentes. Afirmou, também, que a renda das estradas pedagiadas está garantindo ao Estado os recursos necessários para a recuperação de 12 mil quilômetros de estradas vicinais, que servem às pequenas localidades interioranas e não cobram pedágio. Admitiu, no entanto, rever situações onde o pedágio muito próximo da cidade penaliza os usuários que usam poucos quilômetros de estrada, mas paga tarifa integral.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições 2010Alckmin

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.