Alckmin evita comentar pedidos de intervenção

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) não comentou o início do julgamento, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), de 17 pedidos de intervenção federal no Estado de São Paulo, originados de dívidas judiciais não quitadas, os precatórios. Ele falou, porém, sobre o esforço que está realizando para colocar essas contas em dia. "O governo faz um esforço que poucos Estados estão fazendo, pois é muito difícil que alguém pague em um ano mais de R$ 700 milhões em precatórios, como São Paulo está pagando".Segundo informou Alckmin, o ex-governador Orestes Quércia (PMDB) pagou R$ 190 milhões em quatro anos e Luiz Antônio Fleury quitou R$ 800 milhões em sua gestão. "Só este ano estamos pagando mais de R$ 700 milhões e, se essa média for mantida, serão mais de R$ 3 bilhões em quatro anos". O governador informou que o pagamento dos precatórios não-alimentares este ano antingirá R$ 570 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.