Alckmin e Mercadante colam imagens às de Serra e Lula

No segundo dia de propaganda eleitoral gratuita no rádio, os dois principais candidatos a governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) e o senador Aloizio Mercadante, do PT, colaram as suas imagens à de José Serra, presidenciável tucano, e à do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, respectivamente.

JULIA BAPTISTA, Agência Estado

18 de agosto de 2010 | 11h08

Alckmin destacou projetos de construção de trechos do Rodoanel e na área de saúde realizados pela gestão de Serra no Estado. "Serra levou em frente, e Geraldo vai continuar", diz o locutor no final do programa. O candidato do PSDB disse que "está fazendo uma campanha animada, empolgante, positiva".

Já o petista Aloizio Mercadante falou dos investimentos federais no Estado e comparou o crescimento do País com o paulista e disse que "São Paulo não está em sintonia com o processo de transformação do governo Lula". Mercadante criticou o trânsito e a saúde na capital paulista. O petista encerrou dizendo que "o que deu certo no Brasil vai dar certo em São Paulo".

O candidato da Coligação Preste Atenção São Paulo, Paulo Skaf (PSB), destacou a sua biografia e currículo e o trabalho à frente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp). Também explicou o porquê de ter entrado na política. "O presidente Lula me disse: Skaf não adianta reclamar dos políticos, tem que entrar para política e fazer diferente. Isso ficou na minha cabeça", afirmou.

Celso Russomanno (PP), da Coligação Defesa do Cidadão, usou pouco mais de um minuto do horário eleitoral para divulgar a música de sua campanha. Falou da morte da mulher e da falta de atendimento no sistema público de saúde. Fábio Feldmann (PV), da Coligação União Para Mudar, contou com a participação de Marina Silva, candidata a presidente pelo partido. Feldman disse que "é preciso saber crescer. "Crescimento desordenado não é solução para o Estado."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.