Alckmin é indiferente ao fim da verticalização

O governador Geraldo Alckmin disse que se sente indiferente sobre a possibilidade de se por fim a verticalização das coligações partidárias, que deve ser votada nas próximas horas pelo Congresso. O governador disse não ter preferência em relação ao sistema, ressaltando que esta é uma decisão que deve ficar a cargo do próprio Congresso."É indiferente. Eu acho que tanto faz, deixem que o Congresso decida", afirmou Alckmin durante as comemorações dos 452 anos da cidade de São Paulo. Desde o início da manhã de hoje, Alckmin fez questão de deixar transparecer um clima de trégua com o prefeito de São Paulo José Serra, que também esteve presente nas solenidades. Alckmin elogiou Serra.Perguntado se a declaração representava uma mudança em sua postura diante do tema da verticalização, Alckmin apenas lembrou que quando a regra foi aprovada,o PSDB saiu prejudicado em São Paulo, tendo perdido o apoio de três partidos. Ambos estiveram na missa celebrada na Catedral da Sé e seguiram juntos a pé para um ato cívico no Pateo do Collegio. Em seu discurso Alckmin não poupou elogios ao prefeito paulistano: "Eu queria saudar meu querido companheiro, grande prefeito de São Paulo José Serra, que administra esta cidade com seriedade e com talento, com espírito público e com experiência acumulada trabalhando pelo nosso povo. Abraçando Serra, eu quero abraçar todos vocês", disse Alckmin aos populares presentes a cerimônia. Além disso Alckmin mudou sua agenda e decidiu acompanhar o prefeito em um evento no Teatro Municipal, na Praça Ramos de Azevedo. Alckmin entrou em um ônibus e sentou ao lado do prefeito, após terem cumprimentados juntos pessoas que estavam próximas.Questionado sobre se suas atitudes representavam de fato um clima de paz dentro do PSDB, Alckmin afirmou: "Não há nenhuma trégua e não há necessidade de tê-la", disse o governador, ressaltando que o dia de hoje é dedicado à cidade de São Paulo",afirmou. O governador após participar dos atos do aniversário de São Paulo, viajou para as cidades de Santos, São Vicente e Praia Grande.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.