Alckmin diz que vai manter no governo ex-prefeito condenado

De acordo com o governador, o ex-prefeito de Taubaté José Bernardo Ortiz (PSDB) é um homem 'corretíssimo' e 'austero' com o dinheiro público

Gustavo Uribe, da Agência Estado,

26 de janeiro de 2011 | 14h42

SÃO PAULO - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse nesta quarta-feira, 26, que vai manter no cargo de presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Educação (FDE) o ex-prefeito de Taubaté José Bernardo Ortiz (PSDB), condenado judicialmente por ato de improbidade administrativa. De acordo com o governador, Ortiz é um homem "corretíssimo" e "austero" com o dinheiro público. As declarações foram feitas durante aula inaugural do colégio Dante Alighieri, que completa 100 anos em 2011.

 

O ex-prefeito é acusado de violação dos princípios constitucionais da moralidade e impessoalidade ao contratar servidores sem concurso público. A defesa dele não admite que tenha havido dolo ou má-fé em seus atos. Ortiz também responde a dez ações, oito delas com base na Lei 8.249/92 (Lei da Improbidade).

 

"Ele é uma excelente pessoa, um ótimo gestor", ressaltou Alckmin, segundo o qual Ortiz tem a fama "de um homem durão". "Ele é um homem extremamente rigoroso com o dinheiro público, austero e de vida franciscana", disse.

 

O governador paulista afirmou ainda que não o preocupa o fato de o novo titular da FDE ter sido condenado por improbidade administrativa. "Não houve nenhuma condenação", justificou. "Cabe recurso, são apenas questões formais", acrescentou. Alckmin afirmou também que acredita que Ortiz fará "um grande trabalho" na fundação.

 

Morte do presidente do TJ-SP

 

Alckmin lamentou a morte do presidente do Tribunal de Justiça do Estado (TJ-SP), Antonio Carlos Viana Santos, ocorrida na madrugada de hoje. De acordo com Alckmin, Viana Santos era uma pessoa "positiva" e que dedicou sua vida à magistratura. O governador afirmou que pretendia comparecer ao velório no Salão dos Passos Perdidos, sede do Judiciário paulista, no centro de São Paulo.

 

"Eu quero trazer os meus sentimentos à família do doutor Viana Santos. Nós estivemos juntos muitas vezes e fizemos entendimentos sobre muitas questões do Poder Judiciário", disse Alckmin, após palestra em São Paulo para alunos de uma escola de ensino privada. "Ele é uma pessoa que dedicou toda sua vida à magistratura, com enorme espírito público e correção."

Tudo o que sabemos sobre:
improbidadecondenaçãoOrtizAlckmin

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.