Alckmin diz que sua campanha arrecadou R$ 5 milhões e que gastou 'bem menos do que isso até agora'

Ex-governador esteve em Campinas para divulfar programa de bolsas para cursos de língua no Estado

Rose Mary de Souza, especial para O Estado de S. Paulo

04 de agosto de 2010 | 15h05

CAMPINAS - O candidato ao Governo do Estado de São Paulo, o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) disse nesta quarta, 4,  que sua campanha já arrecadou R$ 5 milhões. "Esses números são públicos", comentou olhando para um assessor. "Arrecadamos R$ 5 milhões e gastamos bem menos que isso até agora", afirmou sem revelar o quanto já utilizou.

 

Alckmin esteve no final da manhã em Campinas visitando a escola Cultura Inglesa, uma das unidades que integra um programa do governo estadual que destina bolsa de estudos dos cursos de inglês, francês e espanhol para estudantes dos 2º e 3º anos do ensino médio da rede publica estadual.

 

De acordo com o tucano, caso vença as eleições, sua meta é distribuir 300 mil bolsas para os estudantes inseridos neste programa. Hoje o governo estadual, a cargo de Alberto Goldman, já destina 80 mil vagas e dispõe de uma rede de 586 escolas credenciadas em todo o Estado. "É importante que o aluno tenha acesso a uma segunda língua. Ele terá mais facilidade para arrumar um trabalho", afirmou.

 

Aeroportos. Questionado sobre os atrasos nos voos que ocorrem nos últimos dias nos principais aeroportos brasileiros, o candidato afirmou que "os pequenos aeroportos geridos pelo governo estadual estão em ordem". Segundo ele, "entre os modais de transporte, a aerovia é a que mais preocupa e é o grande gargalo. Do que depender do Estado, posso afirmar que estão em ordem os aeroportos de Jundiaí e Ribeirão Preto, que agora são grandes centros de frotas de jatos executivos".

 

"Infelizmente, os aeroportos federais estão atrasados. O segundo terminal de Viracopos ainda não foi aprovado e nem tem EIA-RIMA (Estudo de Impacto Ambiental). E em Cumbica, o terceiro terminal também nem tem um projeto de execução", disse.

 

Alckmin salientou que se for eleito quer "ajudar a resolver o problema, fazer o EIA RIMA direito, aprovar o que for preciso e ajudar na infraestrutura".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.