Alckmin diz que Serra vai para o segundo turno

O candidato do PSDB ao governo paulista, Geraldo Alckmin, disse hoje acreditar que José Serra (PSDB) passará para o segundo turno na eleição de outubro e colocou a sua agenda de campanha à disposição do presidenciável tucano. "O Serra vai para o segundo turno", afirmou o ex-governador, em sabatina promovida pelo Grupo Estado. "O Serra estando em São Paulo, eu cancelo toda a minha agenda", emendou.

AE, Agência Estado

20 de agosto de 2010 | 18h27

O candidato a governador negou que evita citar Serra no tempo que tem à disposição no horário gratuito da TV. "O programa está começando. O Serra fez um grande governo", justificou. Na primeira inserção estadual do PSDB, veiculada na quarta-feira, o nome de Serra foi citado apenas duas vezes.

Na sabatina de duas horas, Alckmin listou iniciativas do PSDB à frente do Palácio dos Bandeirantes e anunciou que investirá, se eleito, na expansão do metrô na capital paulista e na rede de educação técnica, com a criação de novas unidades de Faculdades de Tecnologia (Fatecs) e Escolas Técnicas Estaduais (Etecs).

O candidato enumerou promessas num eventual governo, como o lançamento de uma Parceria Público-Privada (PPP) para criação de um trem expresso que ligue a Estação da Luz, no centro da capital paulista, ao Aeroporto de Guarulhos (Cumbica), na Grande São Paulo; a oferta de cursos de língua estrangeira para 600 mil alunos das escolas públicas; a criação de mais 12 piscinões em São Paulo para conter as enchentes e o complemento de R$ 1.100 na renda de oficiais da força policial, bem como a modernização dos equipamentos de segurança pública.

Saia-justa

Perguntado, o candidato do PSDB evitou responder se matricularia os seus filhos e netos em uma escola pública administrada pelo governo estadual. "É um processo. É preciso melhorar a educação", disse. Diante da insistência da pergunta, ele patinou mais uma vez: reafirmou que pretende melhorar a educação e lembrou que estudou em escola pública.

Outra saia-justa a que o governador foi submetido durante a sabatina foi em relação ao apoio informal de Serra ao atual Prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), no primeiro turno das eleições de 2008. Na época, Alckmin concorria ao mesmo cargo e não chegou ao segundo turno. "Em eleição não se deve transferir responsabilidades. Aprendi muito sendo candidato a prefeito."

Alckmin rebateu ainda críticas do PT à gestão do PSDB em São Paulo. De acordo com ele, são injustos os ataques feitos pela oposição aos pedágios nas estradas estaduais. "Há um princípio de justiça social: quem usa paga, quem não usa, não paga." O tucano acusou o PT de ser especialista em "falar mal de São Paulo". "Mas quanto dinheiro o PT colocou no metrô em São Paulo quando governou a cidade? Zero", afirmou.

O candidato defendeu que os investimentos do governo estadual sejam públicos, e não estatais. "O PT acha que o investimento deve ser estatal. Nós achamos que deve ser público", criticou.

Copa do Mundo

O candidato do PSDB arrancou aplausos da plateia quando foi perguntado sobre os investimentos do governo estadual na infraestrutura para a promoção da Copa do Mundo de 2012. Antes de responder à questão, Alckmin, santista roxo, comemorou o fato do atacante Neymar ter renovado contrato com o clube.

O tucano reafirmou que a sua prioridade ainda é o Morumbi, mesmo que a Fifa tenha rechaçado o estádio para a abertura do Mundial. "A primeira opção para mim é o Morumbi, vai ter metrô na porta em 2012", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.