Alckmin diz que PT é "rei do impeachment" e que não há golpe

Governador de São Paulo se referia ao fato de o partido ter entrado com pedidos de afastamento contra os governos Fernando Collor, Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso

Beatriz Bulla, O Estado de S.Paulo

10 de dezembro de 2015 | 14h52

BRASÍLIA - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), voltou a dizer na manhã desta quinta-feira, 10, que impeachment não é golpe e que o Congresso deve discutir o impedimento da presidente Dilma Rousseff. Ele ainda acusou o PT de ser o "rei do impeachment", por ter entrado com pedidos contra os governos Fernando Collor, Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso. "Só não entrou contra o Lula porque era do PT", disse o tucano.

"Eu queria destacar o seguinte: eu vejo muita gente falando de golpe. Não, impeachment não é golpe. Aliás, o PT era o rei do impeachment porque entrou com pedido de impeachment contra o Collor, contra o Itamar Franco e contra o Fernando Henrique. Só não entrou contra o Lula porque era do PT. Então, não. O impeachment é previsto na Constituição brasileira", disse Alckmin, após participar de audiência no Supremo Tribunal Federal, em Brasília, sobre a crise hídrica.

O tucano disse não considerar que o freio colocado pelo STF no procedimento de impeachment seja um sinal de que há abuso por parte da Câmara dos Deputados. O ministro Luiz Edson Fachin, do Tribunal, suspendeu a tramitação do impeachment até que o plenário da Corte delibere, na quarta-feira que vem, sobre o rito do procedimento. "A Câmara não vai entrar no mérito da questão. O mérito é no Senado. A Câmara recebe ou não o pedido e ao mesmo tempo o Supremo, se tiver dúvida, estabelece a regra", afirmou. Questionado sobre sua posição política a respeito do impeachment, o governador de São Paulo disse que o processo "precisa ser discutido" e é "dever do Congresso analisá-lo".

Temer. Na segunda-feira, Alckmin teria uma agenda comum com o vice-presidente da República, Michel Temer, na primeira aparição do peemedebista após a abertura do processo de impeachment. Temer, entretanto, cancelou a ida ao compromisso. No mesmo dia, à noite, veio à tona a carta enviada pelo vice-presidente à presidente Dilma, na qual Temer se queixa de desconfiança por parte da petista.

Ao deixar o STF nesta manhã, Alckmin disse que estava no tribunal "aprendendo o latinório", em referência às expressões em latim usadas na Corte. "Amicus Curiae. Ou, como diz o Michel Temer, 'verba volant'. Não é isso? Soltou o latim, lá", disse. Temer abre a carta enviada a Dilma com a expressão "verba volant, scripta manent", segundo a qual, "as palavras voam, os escritos permanecem". Após a brincadeira sobre o texto escrito pelo peemedebista, Alckmin disse que a carta "foi pessoal".

Cunha. Questionado se o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) deveria ser afastado do cargo pelas supostas manobras que tem empreendido para barrar o funcionamento do Conselho de Ética, Alckmin se limitou a contar que em sua época como deputado federal colegas perdiam o mandato pela baixa frequência. "É um assunto interno da Câmara. Eu fui deputado federal e quando fui, dois deputados perderam o mandato por falta. Aliás, um de São Paulo e outro de Minas Gerais", respondeu, sinalizando que cabe punição aos deputados que fazem mal uso da cadeira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.