Nelson Almeida/AFP
Nelson Almeida/AFP

Alckmin diz que PSDB tem de ter independência em relação ao governo Bolsonaro

Presidente do partido reiterou que o PSDB "sempre foi" um partido de centro e que a candidatura de Tasso Jereissati à presidência do Senado não é "anti" Renan Calheiros

Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

23 Janeiro 2019 | 20h37

BRASÍLIA - O presidente do PSDB, Geraldo Alckmin, defendeu nesta quarta-feira, 23, que os tucanos têm de ter independência em relação ao governo Jair Bolsonaro. A afirmação de Alckmin foi em resposta ao questionamento do Estadão/Broadcast sobre a aproximação entre o Palácio do Planalto e o governador de São Paulo, João Doria, do seu partido.

"Não (acho que o PSDB esteja cada vez mais dentro do governo). Acho que o PSDB tem de ter independência em relação ao governo. Tudo aquilo que for interesse do País, que estiver de acordo com o nosso programa e nossa proposta, é nosso dever apoiar", disse.

Alckmin evitou endossar ainda as declarações de Doria sobre uma guinada do PSDB para o centro. Isso porque, ao jornal Folha de S.Paulo, Doria disse que o partido "vai mudar" para uma sigla de "posições de centro". 

"O PSDB é um partido de centro. Sempre foi. Longe dos extremos. O PSDB é um partido com profundo compromisso com a democracia, inclusive a interna, um partido reformista, do mundo, da velocidade da mudança, liberal na economia, acreditamos na economia de mercado e com visão social. Vivemos num país que tem 15 milhões de pessoas na miséria, não é nem na pobreza. Você precisa ter a questão da desigualdade da justiça social, é essencial", respondeu.

Sobre a possível indicação do deputado federal Bruno Araújo (PSDB-PE) para a presidência do PSDB, por sugestão de Doria, Alckmin foi ainda mais evasivo. "Não vejo nenhum problema. Vamos ter as eleições municipais em fevereiro; zonais, em março; estaduais, abril; nacional, em maio. Vamos fazer de março a maio o congresso do partido, exatamente para abrir o debate, atualizar o estatuto partidário, o programa partidário. Vamos esperar a posse dos novos deputados, senadores, para fazer o congresso partidário". 

Alckmin falou à imprensa, após passar o dia em Brasília. Na capital federal, ele almoçou com o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), que é candidato à Presidência do Senado, e negou que os tucanos não precisam assumir uma postura anti-Renan Calheiros (MDB-AL), que também deve disputar o cargo. "Candidatura do Tasso não é anti ninguém. É uma candidatura que fortalece o Senado. Brasil precisa ter instituições fortes e sólidas. Senado é uma dessas instituições. Tasso fortalece essa instituição", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.