Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Alckmin diz que próximo presidente terá mais legitimidade que Temer

'Temer enfrenta uma grande dificuldade, que é não ter passado pelas urnas', disse o governador, acrescentando que quem for eleito em 2018 'vai ter muita legitimidade'

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

23 de junho de 2017 | 11h26

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), declarou mais uma vez sua intenção em ser candidato à Presidência da República durante entrevista à Super Rádio na manhã desta sexta-feira, 23. O tucano disse, ainda, que o próximo presidente eleito terá mais legitimidade que Michel Temer (PMDB), por ser escolhido nas urnas. 

Alckmin citou seu exemplo, ao lembrar que foi governador pela primeira vez "sem voto", quando assumiu o cargo em 2001 após a morte de Mário Covas. "O presidente Temer enfrenta uma grande dificuldade, que é não ter passado pelas urnas, não ter tido voto. Então ano que vem quem for eleito vai ter muita legitimidade e o Brasil tem tudo para voltar a crescer", afirmou.

O tucano visitou duas rádios AM na capital paulista, em razão da cerimônia de migração de rádios AM para FM, que ocorre nesta manhã no Palácio dos Bandeirantes. Durante a entrevista na Super Rádio, o locutor Paulo Barboza afirmou que neste ano completará 58 anos de carreira e gostaria de receber "o presidente da República Geraldo Alckmin" no programa daqui a dois anos. "Será uma honra", respondeu Alckmin. Momentos antes, na mesma entrevista, o governador havia falado que sua candidatura "está nas mãos de Deus".

O governador afirmou que é preciso ter "esperança" no Brasil. Ele citou a criação de 34,2 mil vagas de emprego em maio, das quais 17,3 mil foram no Estado de São Paulo, e falou que a economia nacional terá um segundo semestre "melhor". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.