Alckmin diz que povo desconhece eleição a governador

O candidato do PSDB ao governo de São Paulo, Geraldo Alckmin, afirmou hoje, em Bauru, que muita gente pensa que haverá eleição apenas para Presidente da República. "Outro dia, encontrei uma pessoa que lamentou o fato de eu não ser candidato e, quando eu expliquei que concorro ao governo do Estado, espantou-se, perguntando se realmente vai haver eleição de governador", disse, destacando a necessidade de se fazer forte campanha "boca-a-boca" para governador, senador e deputados. Justificando a ausência do presidenciável Jose Serra, cuja participação chegou a ser anunciada, afirmou: "Eu disse ao Serra que fosse para a Bahia, porque aqui nós cuidamos da campanha dele".

JAIR ACEITUNO, ESPECIAL PARA A AE, Agência Estado

17 Julho 2010 | 16h31

Alckmin defendeu os pedágios, como forma de financiar as grandes obras rodoviárias, impossíveis de serem custeadas com recursos do Estado, lembrou que eles não foram inventados pelo PSDB porque existem em São Paulo "desde o governo do Maluf (1979/1982)". Afirmou que o atual modelo de gestão econômica do Estado é o correto, podendo passar por modificações apenas pontuais. Prometeu investir com prioridade na Saúde, criando ambulatórios e ampliando o número de leitos hospitalares, e na habitação para famílias de baixa renda.

Reunião da qual participaram 50 prefeitos de diversas regiões do Estado teve muitas farpas aos candidatos petistas. O candidato ao Senado, Orestes Quércia, afirmou que José Serra tem todas as credenciais para ser Presidente da República, enquanto Dilma Rousseff não prova nenhuma experiência. Disse também que Aloysio Mercadante afirmou repetidas vezes não querer ser candidato a governador, "mas acabou convencido pelo presidente Lula, que, no entanto, nos seus oito anos de governo nunca quis aproveitá-lo para nenhum cargo porque achava que não servia. O Alckmin é diferente, ele sempre quis ser governador", finalizou Quércia.

Mais conteúdo sobre:
Geraldo Alckmin Orestes Quércia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.