Alckmin diz que não vê razão para prorrogar CPMF

O ex-governador de São Paulo e candidato derrotado à presidência da República em 2002, Geraldo Alckmin (PSDB), disse hoje que é contrário a uma nova prorrogação da cobrança da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) até 2011. "Não vejo razão para essa ganância arrecadatória. Este ano o PIB deve crescer um pouco menos de 5% e a arrecadação vai aumentar mais de 10%. Se não começar a reduzir a carga tributária agora, quando o cenário internacional é tão bom, não tem jeito", disse Alckmin ao chegar na convenção nacional do partido, em Brasília.Alckmin defendeu a idéia de que o PSDB defina os candidatos que participarão das eleições majoritárias através de uma prévia no partido. O ex-governador evitou ainda comentar a denúncia feita hoje pelo procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, sobre o suposto esquema ilegal de arrecadação de recursos nas eleições de 1998, o chamado mensalão mineiro, que envolve o senador tucano Eduardo Azeredo (MG). "É preciso aguardar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.