Alckmin diz que nada muda após queda na pesquisa Ibope

Tucano participou de comitê de campanha em Ribeirão Preto, ao lado do presidenciável Serra

Brás Henrique e Gustavo Porto, de O Estado de S.Paulo,

28 de agosto de 2010 | 16h33

RIBEIRÃO PRETO - Geraldo Alckmin, candidato do PSDB ao governo de São Paulo, disse neste sábado, 28, em Ribeirão Preto, na inauguração de um comitê suprapartidário de sua campanha e do presidenciável José Serra, que "a campanha está indo muito bem", ao se referir ao resultado da última pesquisa Ibope/Estado/TV Globo. Alckmin caiu de 50% para 47% e seu principal adversário, o petista Aloizio Mercadante, subiu de 14% para 23%.

"Queria aproveitar para agradecer a enorme manifestação de carinho e confiança da população de São Paulo", disse o tucano. "É humildade e trabalho, pé na estrada", resumiu Alckmin, que logo depois seguiu para compromisso na Festa do Peão de Boiadeiro, em Barretos, e à noite ainda tem uma agenda em São Paulo. "Nenhuma mudança, mas trabalho, e vamos em frente", encerrou ele, sobre o resultado da pesquisa.

Ao ser questionado sobre quem estaria colando em quem, em Ribeirão Preto, para subir na campanha eleitoral, Alckmin, que esteve ao lado de Serra no comitê, se esquivou como pôde. Serra chegou a Ribeirão Preto por volta de 12 horas, participou de uma entrevista a uma emissora local e caminhou pelo calçadão central, tempo necessário para que Alckmin chegasse à cidade, em outro voo. Em frente ao comitê, Serra ainda esperou alguns minutos, dentro do carro, a chegada do colega.

Alckmin caiu três pontos porcentuais na pesquisa estadual, mas ainda venceria Mercadante no primeiro turno. Serra caiu mais na disputa federal e se vê mais distante de garantir o segundo turno.

"Todos nós queremos estar muito junto do povo", comentou Alckmin. "É o povo que decide as eleições e a gente está muito feliz com esse carinho, não do calor atmosférico, mas do calor humano, da região de Ribeirão Preto", emendou ele. Mas, após a indagação, se caso eleito governador, e Dilma Rousseff (PT) eleita presidente, ele aproveitaria Serra como secretário - como o colega o aproveitou em 2006 - o tucano procurou demonstrar confiança. "O Serra vai chegar lá; estamos a 35 dias das eleições, em pleno curso, e ele vai recuperar, essa diferença vai diminuir e tem tudo para chegar ao segundo turno", enfatizou Alckmin.

O discurso de Alckmin foi rápido, destacando que "Serra é o homem mais preparado para administrar um país tão complexo" e que a campanha estava começando hoje em Ribeirão Preto. Em entrevista coletiva, Alckmin citou que, eleito, terá compromissos com a agricultura (assistência técnica, seguro rural, crédito para compra de tratores e implementos, fortalecimento de pesquisa, defesa agropecuária e patrulha rural), transporte (irá recapear 3 mil quilômetros de estradas vicinais e fará mais 3 mil quilômetros de novas estradas vicinais), saúde e educação. Para Ribeirão Preto, assinou um compromisso para instalar uma unidade da Fatec e uma unidade do Poupatempo na região central. E disse que fará o que for possível, em sua alçada, para transformar o Aeroporto Leite Lopes em internacional.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2010Geraldo AlckminPSDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.