Thiago Queiroz/Estadão
Thiago Queiroz/Estadão

Alckmin diz que cenário estadual 'independe da questão nacional'

Se PSB lançar candidato próprio ao Planalto, Alckmin diz que posicionamento em São Paulo e no País 'são coisas distintas'

Marianna Holanda, O Estado de S. Paulo

30 Janeiro 2018 | 17h53

Pressionado na base aliada para escolher um candidato à sua sucessão no governo do Estado, Geraldo Alckmin disse nesta terça-feira, 30, que essa decisão não está relacionada ao cenário nacional. “Não depende uma coisa da outra”, afirmou. O cargo está sob disputa de tucanos e do vice-governador, Márcio França (PSB), que ajuda Alckmin em conversas com a legenda no plano nacional.

Reportagem do Estado nesta terça, contudo, mostrou que uma ala do PSB prepara uma ofensiva para viabilizar a candidatura do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa à Presidência. Questionado se apoiaria um candidato tucano, caso o PSB lançasse o ministro relator do mensalão, Alckmin disse que “essa é uma decisão do Estado, independe da questão nacional”.

++ SONIA RACY: Tempo de TV que PSB pode oferecer a Alckmin favorece Doria

++ Ala do PSB prepara ofensiva para viabilizar Joaquim Barbosa à Presidência da República

O governador também negou que a disputa pelo governo do Estado possa prejudicar seus planos ao Palácio do Planalto. “São coisas completamente distintas”, afirmou, em evento na Secretaria de Fazenda.

 

Dentre os tucanos, há ao menos quatro interessados na sucessão de Alckmin, dentre eles o prefeito João Doria. Apesar de negar publicamente, ele negocia nos bastidores sua candidatura e deputados estaduais já declararam apoio a ele.

“O que nós dissemos é o seguinte, se a base, que nos elegeu governador, elegeu João Doria prefeito de São Paulo puder ter um candidato só, ótimo. Se não, se tiver mais de um, não tem problema, pode ter dois, pode ter três. Mas essa será uma decisão Estadual”, disse Alckmin.

++ Por Presidência, Alckmin defende 'palanque único' em São Paulo

França, por outro lado,já lançou sua pré-candidatura e vem anunciando apoio de partidos médios e pequenos, como SD. O apoio do PSB à candidatura de Alckmin ajudaria o governador no Nordeste, onde não tem base eleitoral.

Imobiliária Pública. Alckmin esteve na Secretaria de Fazenda nesta terça-feira para o pregão de escolha do consórcio gestor do Fundo de Investimentos Imobiliários do Estado. Trata-se de uma espécie de imobiliária pública, que vai administrar e vender 264 bens do Estado - 186 na região metropolitana e 78 no interior. 

Das sete empresas, a que venceu a concorrência foi Socopa. O fundo é avaliado em R$ 972 milhões e a empresa terá 0,2% de cada imóvel vendido - podendo chegar, portanto, a R$ 1,94 milhões, se todos forem negociados. Há ainda uma "ajuda de custo" mensal para a empresa, que pode variar entre R$ 30 mil a R$ 80 mil.

“Acho que demos um passo inovador, que pode ser um exemplo pro País, o primeiro fundo imobiliário do País”, disse o governador.

O pregão chegou a ser suspenso pelo Tribunal de Contas do Estado no ano passado, mas acabou liberado em dezembro. Segundo a Fazenda, nenhum desses imóveis é de serviço à comunidade, como escolas e hospitais. O lote concedido nesta terça é o primeiro, mas o plano é “vender” até 5 mil dos 30 mil imóveis do Estado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.