Alckmin discutirá perdas por ajuste fiscal com PSDB

O governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP) disse hoje que a reunião entre oito governadores da sigla, marcada para segunda-feira, em Caldas Novas (GO), terá por meta a troca de informações sobre as perdas decorrentes do ajuste fiscal. "A arrecadação em 2002 cresceu nominalmente, mas não acompanhou a subida da inflação", observou.Alckmin falou à imprensa hoje de manhã, durante a abertura da Campanha de Vacinação contra Gripe para o Idoso, no Hospital Geriátrico e de Convalescente D.Pedro II, da Santa Casa de Misericórdia, na capital paulista, que abriga 700 idosos. O governador chegou ao local às 8h05 e saiu às 9h00. Ás 11h, participará do encerramento do 47º Congresso Paulista de Municípios, no Guarujá, para onde se dirigiu de helicóptero. Médico pediatra por formação, Alckmin vestiu o jaleco da Santa Casa, para aplicar a vacina no braço esquerdo do cardeal arcebispo do Estado de São Paulo, Dom Paulo Evaristo Arns, de 81 anos. "Não doeu. Parabéns ao médico", disse Arns, incentivando todos os idosos a se dirigirem a um dos 5.200 postos de vacinação no Estado, até 30 de abril, quando a campanha será encerrada. Encontro O encontro de segunda-feira também será palco da discussão sobre as reformas propostas pelo governo federal. Sobre a Previdenciária, o governo paulista levará à reunião suas divergências quanto ao PL9 e à PEC. No caso da reforma Tributária, Alckmin pretende colocar em pauta a importância da manutenção do ICMS, sem reduções, "porque é um imposto de valor agregado, de origem e destino". Segundo ele, os impostos "ruins" são o PIS e o Cofins. Além desses pontos, o governador do Estado de São Paulo deverá abordar também entre os companheiros de sigla as reformas Trabalhistas e Política. "De suma importância e que não vêm sendo discutidas pelo governo federal", sublinhou. Sobre à postura do PSDB paulista e de outros Estados em relação às reformas propostas pelo governo Federal, Alckmin afirmou que o governo tem que estar acima dos interesses partidários e agir para o bem do País. "Sempre fomos favoráveis às reformas, porque abrem um círculo virtuoso de crescimento, como conseqüência da redução da taxa de juros. Nossa postura continua a mesma", disse. Vacina Em 2005, o Instituto Butantã iniciará a produção da vacina contra a gripe. "E em 2006, todas as vacinas usadas no Brasil contra o vírus Influenza, que provoca a gripe, serão fabricadas no Butantã", revelou Alckmin. Ele explicou que a nova produção será possível graças a um acordo entre o governo paulista e o Federal, firmado na semana passada. O secretário da Saúde do Estado de São Paulo, Luiz Roberto Barradas Barata, disse que a intenção do governo é aumentar o número de idosos vacinados. No início da campanha, em 1999, mais de 70% da população acima de 60 anos foi vacinada, e nos anos seguintes o percentual foi diminuindo até 60%, em 2002. "Queremos voltar aos 70%, no mínimo, este ano", adiantou o secretário. Para isso, o governo estadual contará com o apoio de 2.500 entidades de saúde municipais, que a partir da segunda-feira também disporão a vacina à população idosa. Quanto à situação da pneumonia asiática no Brasil, a Superintendência de Controle de Endemias da Secretaria da Saúde do Estado (Sucen) informou que há planos de contenção caso o vírus se manifeste em São Paulo. "Desde o primeiro caso suspeito estávamos preparados. Agora, a descoberta do vírus, que possibilita o exame de detecção, facilita a vida da gente", considerou o superintendente da Sucen, Luiz Jacintho da Silva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.