Alckmin defende punição para senadores e critica CPI da Corrupção

"A acareação não acrescentou nada de novo e acho que está provada a violação do painel. Na minha opinião, o Senado vai ter condição de terminar essa investigação e punir os culpados", disse o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) ao falar sobre a crise que envolve os senadores Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) e José Roberto Arruda (sem partido-DF) e a ex-diretora do Prodasen Regina Borges. Alckmin participa neste sábado, em Bauru (SP), da solenidade que marca o reinício das obras de construção do hospital regional. Em relação à proposta da instalação da CPI da Corrupção, outro assunto polêmico no Congresso, o governador disse que não vê sentido, porque a CPI não tem um foco definido e é ilegal. "A lei determina que precisa haver um objetivo a ser investigado, e o que há hoje são 20 itens citados."Ele também considera o momento inadequado para uma investigação dessa natureza, por causa da turbulência econômica da Argentina, ameaça de recessão nos EUA e outros elementos que repercutem na economia brasileira."Uma CPI genérica como a que se propõe se transformará num grande palanque eleitoral e atuará em prejuízo do Pais", afirmou o governador.O hospital regional, de 450 leitos, está com as obras paradas desde 1994. Serão investidos R$ 57 milhões no empreendimento, sendo R$ 36 milhões em construção civil e R$ 21 milhões em equipamentos. O hospital, que funcionará a partir de 2003, deverá atender toda a região.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.