Alckmin defende prévias no PSDB para Prefeitura de SP

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), uniu-se hoje ao presidente municipal do PSDB em São Paulo, Julio Semeghini, na defesa de consultas primárias para a escolha do candidato tucano à Prefeitura de São Paulo em 2012. O governador disse que a democracia começa "dentro dos partidos" e afirmou que quanto maior for a consulta, melhor será a decisão da legenda. "Eu acho que, a primária ou a prévia, quanto mais você amplia a consulta, melhor é a decisão. Legitima quem sai candidato", disse, após participar de cerimônia de sanção de lei que autoriza a concessão de incentivos fiscais para o Estádio do Corinthians. "E quem não for escolhido, teve a oportunidade de disputar e tem o dever moral de apoiar."

GUSTAVO URIBE, Agência Estado

20 de julho de 2011 | 17h15

Alckmin confirmou que se reuniu com o secretário estadual de Cultura, Andrea Matarazzo, e que, no encontro, o secretário manifestou o interesse de se lançar pré-candidato para a sucessão do prefeito Gilberto Kassab (sem partido). O governador foi evasivo, contudo, quando perguntado se o tucano é um bom nome para a disputa municipal. "Nós temos ótimos nomes, mas esse é um tema para 2012, só para o ano que vem", respondeu. "Ele foi tomar um café e disse que quer ser um pré-candidato. Agora esse é um tema que cabe ao partido decidir e ele só deve discuti-lo no ano que vem."

Com a chancela do ex-governador José Serra, o secretário estadual informou o seu interesse em entrar na disputa na última segunda-feira, numa reunião que, oficialmente, trataria de iniciativas para a divulgação da cultura italiana no Estado de São Paulo. A expectativa é de que o tucano comunique oficialmente ao partido a sua pré-candidatura no início do próximo mês. Além de Matarazzo, o deputado federal Ricardo Tripoli já entregou ao comando municipal do PSDB assinaturas de delegados da sigla que apoiam sua intenção de concorrer à Prefeitura de São Paulo.

O governador de São Paulo, segundo aliados, tem incentivado todos os tucanos interessados a postular a vaga, mas teria preferência pelo secretário estadual do Meio Ambiente, Bruno Covas, que já foi, inclusive, sondado por Alckmin para a disputa municipal. O neto do ex-governador Mário Covas, de acordo com tucanos, só pretende se lançar na corrida eleitoral se tiver o apoio incondicional do governador.

''Shadow Cabinet''

No evento de hoje, o governador comemorou ainda o anúncio do comando nacional do PSDB de criar uma espécie de "shadow cabinet" (gabinete sombra) para acompanhar as iniciativas do governo federal em diversas áreas. A proposta, inspirada na tradição britânica de um gabinete ministerial de oposição, é defendida desde o início do ano pelo governador de São Paulo. "Eu sou parlamentarista, o PSDB tem em seu estatuto a defesa do parlamentarismo, e o ''shadow cabinet'' é um instrumento da oposição no sistema parlamentarista", afirmou. A proposta do PSDB é de acompanhar de perto as ações do governo federal, para que a oposição tenha instrumentos para fazer frente ao governo da presidente Dilma Rousseff.

"Não precisa fazer quarenta gabinetes sombra, mas ao menos uns dez, para poder acompanhar as ações do governo e fazer uma oposição madura e inteligente, não deixando o governo federal se acomodar, criticando quando precisa ser criticado, apresentando alternativas", afirmou Alckmin. O PSDB ainda não definiu se o instrumento irá atuar na esfera da Executiva Nacional do PSDB ou do Instituto Teotônio Vilela. "O formato e as atribuições ainda serão definidos", explicou o líder do PSDB na Câmara dos Deputados, Duarte Nogueira. "O nome também não deverá ser ''shadow cabinet''."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.