Alckmin defende corte no Orçamento; para Serra, 'é só espuma'

Governador e ex estiveram juntos em Ribeirão Preto para entrega de casas populares

BRÁS HENRIQUE, Agência Estado

12 de fevereiro de 2011 | 13h41

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse que o corte de R$ 50 bilhões do Orçamento, pela presidente Dilma Rousseff, é uma medida necessária para conter o avanço da inflação, mas que não se pode deixar de lado investimentos na área social.

Para Alckmin, os investimentos devem ser preservados do corte. "Entendo que a política fiscal brasileira precisa ser mais dura, então acho que isso é necessário para não deixar a inflação crescer, pois no ano passado tivemos a inflação bem acima da meta", comentou o governador. "Mas o importante é que o corte não seja feito em investimentos, especialmente na área social."

O ex-governador José Serra (PSDB), que acompanhou Alckmin em entregas de casas populares em Ribeirão Preto e Sertãozinho, porém, argumentou que o corte "não está discriminado, explicitado. Por enquanto é só espuma."

Essa foi a primeira visita de Serra ao lado de Alckmin no interior paulista neste ano. O candidato a presidente derrotado em 2010 por Dilma Rousseff destacou o programa do governo paulista de casas populares e alfinetou o governo federal. "É o único programa dirigido a famílias com renda de até um salário mínimo, porque o ''Minha Casa Minha Vida'' não andou nessa parte; sem contar a qualidade das casas".

Tudo o que sabemos sobre:
orçamentoPSDBhabitação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.