Alckmin critica política de saúde do governo Lula

O candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, recomendou ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva um check-up completo em um hospital do Sistema Único de Saúde (SUS) para avaliar com exatidão a situação da saúde no País. Em Macapá, onde participou de encontros, o candidato criticou mais uma vez a corrupção no governo, a falta de crescimento e os programas sociais do governo Lula."Eu fiquei horrorizado de ver esses dias o Lula dizer que nossa saúde está chegando próxima da perfeição. Ele deveria fazer um check-up no SUS, descer do Aerolula e ir lá na ponta, conhecer de perto uma emergência", afirmou Alckmin, ao chegar em Macapá. Na inauguração de novas instalações do hospital federal Conceição, em Porto Alegre, no final de abril, o presidente da República afirmou que "o Brasil não está longe de atingir a perfeição no tratamento de saúde". Ao ser perguntado sobre o tema, Alckmin disse ainda que o Brasil arrecada por ano R$ 30 bilhões de CPMF, recursos que devem ser usados na Saúde, mas ninguém vê o resultado de todo esse dinheiro. "É só para o governo federal. Não divide nem com Estados nem com municípios. Onde está esse dinheiro? Sanguessugas. Estamos começando a descobrir. Estão roubando até na compra de ambulâncias", disse, referindo-se ao recente escândalo de superfaturamento de compras de ambulâncias em prefeituras com a conivência de deputados e funcionários do Ministério da Saúde.Pouca intimidadeAlckmin chegou a Macapá (AP) por volta de 13h. Foi recebido no pequeno aeroporto da cidade por cerca de 200 pessoas ligadas ao PSDB portando algumas bandeiras e lenços amarelos com o nome do ex-governador de São Paulo. A falta de intimidade da população local com o candidato ficou evidente, no entanto, na confecção dos lenços: o nome de Alckmin estava grafado errado, como "Alckimin". O ex-governador participou de um almoço com empresários e líderes locais e, logo depois, foi fazer uma palestra a cerca de 800 estudantes de um cursinho pré-vestibular gratuito de Macapá, criado há oito anos pelo atual presidente da Assembléia Legislativa do Amapá, Jorge Amanajás (PSDB). Depois de dar uma aula de química orgânica sobre hidrocarbonetos - Alckmin foi professor da matéria em um cursinho de Taubaté (SP) -, voltou à carga contra o governo Lula. Reclamou da falta de crescimento, das falsas promessas de Lula e usou Santo Antônio de Pádua para não comentar os programas sociais do atual governo. "Quando não puderes falar bem, não digas nada", falou, citando o santo. Bolsa FamíliaMas, quando questionado diretamente se iria manter os programas sociais, como o Bolsa Família, Alckmin disse que vai mantê-lo e ampliá-lo. Mais uma vez, reivindicou para o PSDB a paternidade da idéia dos programas de transferência de renda. "O Bolsa Família é apenas a união do Bolsa Escola, do Bolsa Alimentação e do Vale Gás, criados pelo presidente Fernando Henrique Cardoso. Se a minha filha muda de nome porque casou não deixa de ser minha filha", disse.Ao ser perguntado sobre a reunião de caciques tucanos em Nova York, que reuniu o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o governador de Minas Gerais Aécio Neves, o presidente do partido, Tasso Jereissati e o candidato ao governo paulista José Serra, Alckmin mostrou certo desconforto. Ele afirmou que é normal que aconteçam reuniões e que todas as sugestões serão bem vindas. Mas defendeu sua campanha. "Mas eu diria que as coisas estão caminhando. Até agora só tem um pré-candidato com aliança encaminhada, com possibilidade de ampliá-la e com programa de governo sendo estudado", afirmou. O ex-governador comentou ainda a votação do PFL que deu ao senador José Jorge (PE) o cargo de vice na sua chapa, contra o senador José Agripino (RN). "É um bom nome. Os dois são. Uma pena que não posso ter dois vices", brincou. "Fico feliz porque sempre defendi a aliança. Precisamos fazer alianças para ganhar eleição e para governar. É a primeira aliança entre dois grandes partidos", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.