Alckmin critica partidarização da CPI do Banestado

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), criticou nesta quarta-feira o que classifica de partidarização da CPI do Banestado. "A CPI do Banestado teve um início muito confuso e não terminou bem, está inconclusa em muitos casos. E pior, o fato de você trazer luta política e partidarização para dentro de Comissão Parlamentar de Inquérito é muito ruim", ressaltou ele, após participar de cerimônia de reestruturação da Polícia Militar.Para o governador, é preciso ter muito cuidado com a questão das CPIs, porque ela representa um instrumento muito poderoso e necessário no regime democrático. "E portanto, precisa ter caráter suprapartidário", emendou. Alckmin afirmou não ter dúvidas de que a forma como a CPI foi conduzida e a forma como foi apresentado o relatório conclusivo do deputado José Mentor (PT-SP) - que pediu o indiciamento de 91 pessoas por supostos crimes contra o sistema financeiro, evasão de divisas e corrupção, entre elas o ex-presidente do BC da gestão FHC, Gustavo Franco - indicam a presença de um "viés político". "Tudo é preocupante (nessa CPI)".O governador disse também concordar com a preocupação do senador peemedebista Pedro Simon (RS), de que o resultado dos trabalhos da CPI do Banestado pode não ter conseqüências apenas para essa comissão. FHCO governador foi cauteloso ao comentar as críticas que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso fez na terça ao governo Lula, na abertura do encontro de prefeitos tucanos em Brasília. "É obvio que ninguém é imbatível, se alguém fosse imbatível não precisava ter eleição", disse, encerrando o assunto sobre as eleições gerais de 2006. "Tudo tem seu tempo, agora o que precisamos é arregaçar as mangas e trabalhar."Alckmin disse que o encontro dos prefeitos tucanos foi muito produtivo. "Para se ter uma idéia, os governos municipais do PSDB terão responsabilidade de governar cidades que compreendem 62 milhões de pessoas. Praticamente dobramos a presença nos municípios, ocorrendo um forte enraizamento urbano", destacou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.