Alckmin critica Lula e diz que País enfrenta marasmo

Em tom de campanha eleitoral, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou hoje pela manhã em Campo Grande que o presidente Luís Inácio Lula da Silva (PT) usou a máquina para fazer corrupção e perdeu todas as oportunidades para avançar. Durante entrevista aos jornalistas, concedida no Aeroporto Internacional, ressaltou que "o presidente não poderia ficar mais nenhum dia à frente do Governo. O País enfrenta um marasmo, sem crescimento".Alckmin acredita que em um eventual segundo turno das próximas eleições, ficará empatado com o presidente Lula, a quem ele chamou de "dono da cadeira". Reconhece que ainda não é conhecido nacionalmente, porém, mesmo nessa condição, disse que já tem 20% das intenções de votos. Sobre seus concorrentes tucanos, o prefeito de São Paulo, José Serra, e o governador de Minas Gerais, Aécio Neves, não está preocupado, comentando que a preferência de 20% do eleitorado é altamente significativa. O governador paulista ressaltou que a ética será o tema central da campanha política na maioria ou em todos os partidos, para observar que "o povo não é bobo, não se pode subestimar a população. Ninguém vai se eleger somente pelo discurso ético".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.