Alckmin critica atraso de reforma política

O governador de São Paulo Geraldo Alckmin criticou hoje o atraso da reforma política no Brasil. "Ao invés de discutirmos candidaturas, devemos nesse momento fazer a reforma", afirmou. Ele esteve hoje no Ginásio Esportivo Municipal de Ferraz de Vasconcelos, município da Região Metropolitana de São Paulo, para assinar um convênio de alfabetização de jovens e adultos com o Conselho Comunitário de Educação, Cultura e Ação Social da Grande São Paulo.Para ele, a reforma servirá para aprimorar o processo político. "Mesmo que não valha para essa eleição, é importante discutir a reforma política agora porque servirá como um norte", disse. "É essencial para a governabilidade no futuro", completou.Ele ressaltou que é necessário aprimorar a fidelidade política. "Precisamos de menos personalismo e mais partidos com propostas", destacou. Também comentou a cláusula da barreira, que regulamenta a criação de novos partidos. "É um absurdo termos mais de 40 partidos. Não temos tantas linhas ideológicas assim. Precisamos de menos partidos e de partidos mais pragmáticos", disse, comentando também que são importantes as cláusulas sobre o financiamento público de campanhas e o voto distrital misto.Sobre a decisão do PFL de apoiar sua possível candidatura em 2002 para governo do Estado de São Paulo e a composição de partidos coligados para as próximas eleições, Alckmin afirmou que não falará sobre o assunto. "A eleição é só no ano que vem, falaremos sobre alianças no momento oportuno. Agora posso dizer que o PFL tem sido um bom parceiro e ajudado o governo nas votações da Câmara."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.