Alckmin contrata cabo eleitoral para atuar em reduto do PT

Militantes, que devem receber salário mínimo, estarão nas zonas leste e sul em agosto

Silvia Amorim, O Estadao de S.Paulo

26 Julho 2008 | 00h00

Para disputar os votos da adversária Marta Suplicy nos redutos em que o PT é mais forte na capital, a campanha do candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, Geraldo Alckmin, vai contratar cabos eleitorais para fazer um trabalho de convencimento do eleitorado de casa em casa. O tamanho desse exército está em segredo, mas a área de atuação já foi definida: zonas leste e sul, onde os tucanos historicamente perdem nas urnas para os petistas. A "militância", que receberá salário - provavelmente um salário mínimo mais ajuda de custo -, estará nas ruas a partir de meados de agosto, quando começa o programa eleitoral. "É quando a maioria da população começa a se interessar pela eleição, a prestar atenção nos candidatos", diz o coordenador-geral da campanha tucana, deputado Edson Aparecido. Além dos cabos eleitorais profissionais, a tropa de Alckmin contará com trabalho voluntário de filiados do PSDB. Esse grupo não deve esperar o início do horário eleitoral para sair a campo. Mas também não atuará de forma ostensiva nas zona de conflito com os petistas. Terá um trabalho uniforme em todas as regiões da cidade. O recrutamento das equipes começa já na próxima semana, com a abertura dos primeiros comitês eleitorais de Alckmin pela cidade. Ao todo, serão nove, segundo o coordenador de mobilização, deputado Júlio Semeghini. "Pela primeira vez, vimos uma militância muito maior interessada em participar da eleição em comparação às anteriores", destacou o deputado. Mas esse engajamento não será suficiente para enfrentar o exército petista. "Sabemos que não são suficientes, por isso, teremos que contratar essas pessoas para atacar as regiões mais críticas." Os cabos eleitorais passarão por treinamento para ter na ponta da língua as realizações do ex-governador que beneficiaram diretamente a capital.As áreas críticas mencionadas por Semeghini são basicamente toda a zona leste e a periferia da zona sul. É onde as pesquisas de intenção de voto mostram uma vitória de Marta. Outra arma para engordar a votação tucana em redutos petistas é a presença do candidato. Alckmin, que retorna hoje de viagem a Bogotá, na Colômbia, promete visitar os 96 distritos da cidade, mas é fato que concentrará sua agenda nas zonas leste e sul. Outro reforço virá dos próprios candidatos a vereador. Em alguns desses bairros, o PSDB terá pela primeira vez postulantes ao Legislativo municipal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.