Alckmin cobra rapidez em investigação sobre quebra de sigilo

O pré-candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, afirmou, Itaquaquecetuba, no interior de São Paulo, que "não pode haver demora na apuração da quebra do sigilo bancário do caseiro Francenildo Santos Costa, autor de denúncias contra o ministro da fazenda, Antônio Palocci. Questionado sobre o pedido de urgência feito pelo presidente Lula, Alckmin ironizou: "hoje estamos no mundo moderno e existe a tecnologia da informação, por isso é impossível destruir o registro de quem pediu esta quebra. É óbvio que tudo está registrado, o que precisa é apurar rapidamente".Alckmin voltou a falar que a ocorrência foi muito grave. "Estamos falando de um banco público (Caixa Econômica Federal), falando de aparelho de Estado. Então é grave." Para ele, é necessário apurar rapidamente quem rompeu o sigilo à margem da lei, a mando de quem e com qual objetivo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.