Alckmin cobra fidelidade partidária de tucanos rebeldes

O governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP) cobrou hoje fidelidade partidária dos deputados tucanos rebeldes. Chamado de Grupo dos 12, os parlamentares do PSDB decidiram apoiar as propostas de reforma do governo federal antes da discussão interna. "Infelizmente o Brasil não tem tradição de partido político, segue a cultura do personalismo, não a orientação partidária, as questões programáticas, fidelidade. Isso é muito ruim para a vida política", disse Alckmin. Alckmin discorda de um dos argumentos dos "rebeldes" para não seguir as decisões do partido: de que não querem seguir a orientação de uma Executiva Nacional formada por membros sem mandato. "Primeiro que não são todos sem mandato. O presidente José Aníbal não tem, mas o vice, que é o deputado Alberto Goldman, tem", disse Alckmin. "E mais, às vezes é bom ter na Executiva pessoas sem mandato, que possam se dedicar à vida partidária. Acho bom fazer um mix, com e sem mandato", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.