Alckmin 'cita' Marina ao explicar aliança com PSB

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), fez ontem uma alusão à ex-ministra Marina Silva ao destacar a importância do acordo com o PSB no Estado. O tucano, que vai disputar a reeleição, chamou de "programática" a aliança com o partido do pré-candidato à Presidência Eduardo Campos.

RICARDO BRANDT / CAMPINAS, O Estado de S.Paulo

24 Junho 2014 | 02h06

Pré-candidata a vice-presidente na chapa de Campos, Marina justificou seu ingresso no PSB, em outubro do ano passado - após a Justiça Eleitoral negar registro à Rede Sustentabilidade -, afirmando que a união dos grupos políticos foi feita em torno de uma aliança programática.

A ex-ministra foi contra o acordo entre PSB e PSDB em São Paulo. Ela já avisou que não subirá no palanque de Alckmin. Na sexta-feira passada, o diretório paulista do PSB oficializou o apoio à reeleição do tucano e garantiu a indicação do vice na chapa. O nome do presidente estadual do partido, Márcio França, deve ser anunciado no domingo, na convenção do PSDB paulista que vai referendar a candidatura do governador.

Social-democracia. Segundo Alckmin, as siglas representam a social-democracia no País. "É um aliado importante do ponto de vista programático. Nós da social-democracia precisamos estar cada vez mais próximos do projeto social, de melhorar a vida das pessoas", disse o governador, para quem as composições multilaterais dos partidos nos Estados são resultado do quadro pluripartidário do Brasil.

"Há um excesso de partidos. Cada Estado tem sua singularidade. Por exemplo, em Pernambuco o PSDB está apoiando o PSB. Em São Paulo e no Paraná, o PSB apoia o PSDB", afirmou Alckmin, durante agenda em Campinas, onde vistoriou obra do corredor metropolitano que liga a cidade a Americana.

Apesar de abrir espaço em sua chapa majoritária para o partido de Campos, Alckmin tem garantido o apoio no primeiro colégio eleitoral do País ao candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves. Durante a agenda, Alckmin apresentou os investimentos viários como exemplo de políticas para o setor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.