Alckmin cai e Marta abre vantagem de 17 pontos , diz pesquisa

Petista registrou 41% contra 36% do levantamento anterior; tucano caiu para 24% ante 32% da pesquisa de julho

AE, Agencia Estado

23 de agosto de 2008 | 13h52

A ex-ministra Marta Suplicy (PT) lidera a disputa pela Prefeitura de São Paulo com 41% das intenções de voto, segundo pesquisa Datafolha divulgada neste sábado, 23, pelo jornal "SPTV" encomendada pelo jornal Folha de S.Paulo e TV Globo. Com esse resultado, ela abre uma vantagem de 17 pontos sobre o tucano Geraldo Alckmin, que aparece com 24% das preferências.   Veja Também:  Confira os números da última pesquisa Ibope Conheça os candidatos nas principais capitais  Calendário eleitoral das eleições deste ano  Especial tira dúvidas do eleitor sobre as eleições    Veja as regras para as eleições municipais Em seguida, está o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), candidato à reeleição, com 14% das intenções de voto - ele tinha 11%. Kassab continua tecnicamente empatado com o deputado federal Paulo Maluf (PP), que tem 9%. A margem de erros é de três pontos percentuais, para mais como para menos. A nova pesquisa - realizada entre quinta-feira e sexta-feira - mostra uma queda de oito pontos na intenção de voto de Alckmin na comparação com o levantamento anterior - quando o tucano aparecia com 32%. O levantamento anterior foi realizado de 23 e 24 de julho. De lá para cá, a vantagem de Alckmin para Kassab caiu de 21 para 10 pontos percentuais. O Datafolha ouviu 1.093 entrevistados. A pesquisa foi registrada no TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral) de São Paulo sob número 01900108-SPPE. Num eventual segundo turno entre Marta e Alckmin, a petista venceria o tucano com 49% das intenções de voto, contra 44% do tucano. É a primeira vez, desde a primeira pesquisa Datafolha sobre sucessão municipal, que Marta aparece à frente de Alckmin no 2º turno. Contra Kassab, Marta venceria com 55% das preferências, contra 35% do democrata. Alckmin venceria Kassab por 57% a 28%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.