Alckmin atribui perda de receita a quadro recessivo

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) reclamou do quadro recessivo da economia do País e da perda de receita do Estado, depois de ouvir reinvidicações de 79 prefeitos da região sudoeste de São Paulo, afirmou, em Sorocaba. Segundo ele, quando o quadro está "muito recessivo" como agora, os administradores devem buscar alternativas para fomentar o desenvolvimento. "É preciso fazer parcerias, pois não se pode resolver tudo sozinho." Segundo ele, a perda de força da atividade econômica está crescendo e reflete na arrecadação do Estado, principalmente na receita do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). "Em maio perdemos R$ 80 milhões e este mês estamos perdendo R$ 106 milhões." Alckmin evitou críticas ao governo federal. O governador anunciou uma reformulação na estrutura da Nossa Caixa, um dos bancos estaduais, para que assuma um papel de fomento na geração de negócios. O objetivo é permitir que o pequeno produtor e o microempresário tenham acesso fácil ao crédito. A nova estrutura será anunciada na segunda quinzena de julho. O governador deslocou para Sorocaba todo seu secretariado, no evento denominado Fórum São Paulo, Governo Presente. Cada secretário fez uma prestação de contas do seu trabalho, detalhando as realizações da pasta na região, e ouviu as reivindicações dos prefeitos. DescontenteAlckmin anunciou a liberação de verbas para vários municípios, incluindo Sorocaba, cujo aeroporto passará a operar para vôos internacionais de carga. Prefeitos não contemplados saíram do encontro descontentes. "Esperava a recuperação da vicinal que liga Iperó a Sorocaba, que foi prometida há mais de um ano", reclamou o prefeito de Iperó, Marcos Tadeu Andrade (PFL).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.