Alckmin aponta experiência do ABC como exemplo a seguir

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), encara a experiência do ABC paulista na formação de associações intermunicipais com a presença da sociedade civil como um dos principais exemplos de caminhos para o aperfeiçoamento da administração pública e a busca do desenvolvimento sustentado de todas as regiões do País. "A modernidade é isso: pensar de maneira mais ampla e agir de maneira local", avalia.Alckmin ressalta que esse modelo também inspirou o governo paulista a instituir o chamado "Fórum São Paulo - Governo Presente", em que todos os integrantes do Executivo estadual despacham durante dois dias nas sedes de regiões administrativas e outras cidades-pólos do Estado para discutir o desenvolvimento regional com a comunidade e os prefeitos. Para aperfeiçoar esse debate, o governo incentivou a formação de associações intermunicipais."Fizemos reuniões do Fórum no Pontal do Paranapanema, na região de Presidente Prudente; no Vale do Ribeira, na região de Registro; no Baixo Tietê, na região de Araçatuba; e vamos fazer Bauru, na região central do Estado", comenta.Para o governador, é fundamental que governo e sociedade imaginem o País em microrregiões, com singularidades próprias. Por isso, o conceito de câmaras regionais de desenvolvimento econômico e consórcios de municípios é "altamente positivo"."Cada região tem uma vocação. O fórum que fizemos no Pontal do Paranapanema, por exemplo, nos mostrou que lá em Presidente Prudente há um problema claro de questão fundiária. Se não for resolvida essa questão, sempre haverá dificuldade para obtermos um crescimento econômico melhor. Por isso, nosso esforço vai ser de regularização fundiária", cita."Já o ABC, com sete municípios, tem uma característica muito própria em termos de emprego, em questões ambientais, em segurança pública, no abastecimento de água, no tratamento de esgoto e na educação. São questões que extrapolam os limites do município e, por isso, precisam ser resolvidas em caráter regional", explica.O governador entende que uma das melhores formas de organização dos municípios é por meio da formação de consórcios em torno de microbacias hidrográficas."Vejamos o caso da Bacia Hidrográfica do Alto Tamanduateí, no ABC, uma microbacia que faz parte da Bacia do Alto Tietê. É importante esse conceito de microbacias porque melhora-se o planejamento regional, une esforços na mesma direção, cria um fórum de debates e, o mais fundamental nesse caso, é que esse fórum não seja apenas entre as prefeituras, mas também com a sociedade civil", argumenta.Segundo ele, ao trazer o setor produtivo e a sociedade civil para dentro da associação, é eliminado totalmente o caráter governamental da entidade e, com isso, há uma divisão de responsabilidades na administração pública."Sempre digo que o governo que ouve mais, erra menos. Modernidade é governo participativo, que interage com a sociedade civil e, convenhamos, quem gera emprego é o setor privado. Então temos de estar muito perto do setor privado para alavancarmos empregos e promover o desenvolvimento", enfatiza.Leia maisEspecialista defende pacto entre União, Estado e municípioÉ preciso mudar legislação, diz prefeito de LondrinaCriada há 3 anos, agência fracassa na região de RibeirãoInteresse pelo ICMS aglutina municípios canavieirosAmericana aponta dificuldades maiores para cidades pequenasMineiros querem desenvolvimento regionalGaúchos buscam informações na França e Alemanha

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.