Alckmin anuncia primeiros secretários de seu governo

O governador eleito de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), anunciou esta tarde os primeiros quatro nomes que vão compor seu secretariado na nova gestão à frente do Palácio dos Bandeirantes, a partir de 1º de janeiro de 2011. Ao lado de integrantes do núcleo duro de seu comitê de transição, como os deputados Silvio Torres e Julio Semeghini, Alckmin anunciou Sidney Beraldo para o cargo de secretário da Casa Civil, o coronel Admir Gervásio Moreira para a Secretaria da Casa Militar, o médico Giovanni Guido Cerri para a Secretaria Estadual de Saúde e a permanência da atual secretária Lina Mara Rizzo Batisttella para a pasta dos Direitos da Pessoa com Deficiência. "Vamos começar hoje a escalação do time para São Paulo avançar ainda mais", afirmou o governador eleito.

GUSTAVO URIBE, Agência Estado

16 de novembro de 2010 | 17h53

A divulgação dos nomes foi feita no prédio onde funciona o gabinete de transição, na capital paulista, e durou apenas cinco minutos. Em seguida, o governador abriu o evento para perguntas dos jornalistas. De acordo com Alckmin, o anúncio dos nomes dos integrantes da equipe econômica não será feito neste momento, como era esperado. "Não tem correria", afirmou o governador, segundo o qual o grupo deve ser anunciado entre "o fim de novembro e o começo de dezembro".

Alckmin antecipou ainda que começaram hoje as negociações de cargos com partidos aliados. Hoje, por exemplo, o governador se reuniu com deputados estaduais e federais do PPS. De acordo com ele, a sigla entregou ao PSDB um conjunto de sugestões para um futuro governo, incluindo propostas na área de desenvolvimento. O governador eleito afirmou que seu novo secretário da Casa Civil, Sidney Beraldo, foi escalado para ser o responsável pela negociação com os aliados.

Questionado, Alckmin sugeriu que o PV deve ter participação no seu novo time e que o provável nome para ocupar a Secretaria do Meio Ambiente é o do ex-tucano e ex-candidato da sigla ao governo de São Paulo Fábio Feldmann. "(O PV) é um partido importante, com propostas", elogiou.

Alckmin reafirmou que pretende criar uma Secretaria de Gestão e Desenvolvimento Metropolitano que, em médio prazo, estudará propostas para o crescimento e o desenvolvimento das principais regiões metropolitanas do Estado. Ele ressaltou, porém, que a iniciativa ainda passa por um processo de discussão. "Ainda discutimos o melhor formato", afirmou. Segundo o tucano, "provavelmente algumas das secretarias da atual gestão serão extintas". Alckmin não citou quais serão elas.

Secretários

Braço direito de Alckmin no processo da transição, Sidney Beraldo foi escalado para fazer a mediação entre as campanhas estadual e federal do PSDB, lançando mão do bom trânsito que usufrui entre as diferentes alas do partidos. Conciliador, Beraldo tem a simpatia do núcleo da sigla ligado ao ex-governador José Serra, além de contar com a admiração dos alckmistas. O talento em costurar acordos e aplacar impasses foi, inclusive, testado na campanha deste ano, imbróglio do qual o tucano saiu bem.

Diante da crise aberta com a renúncia do ex-governador Orestes Quércia (PMDB), que disputaria uma das vagas ao Senado na chapa liderada pelo PSDB, Beraldo abriu mão do posto de suplente do então candidato Aloysio Nunes (PSDB-SP), eleito senador, para o PMDB. Com o gesto, ficou a promessa de que o deputado estadual assumiria um dos postos-chave da nova gestão do PSDB no Palácio dos Bandeirantes. O tucano já foi presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo (2003/2005) e, em 2006, presidente do PSDB-SP. Em 2007, deixou o posto para ocupar a secretaria estadual de Gestão Pública no governo de José Serra.

Formado em Direito e em Química e ex-comandante do Policiamento Metropolitano de São Paulo, o coronel Gervásio é corregedor da Polícia Militar desde maio deste ano. Giovanni Guido Cerri foi diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), é doutor em Radiologia e especialista em ultrassonografia e tumores malignos. Lina é médica fisiatra e foi diretora do Instituto de Medicina de Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (IMREA) por mais de 20 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.