Alckmin anuncia mínimo paulista de R$ 600 e compara aumento de metrô a reajuste do ônibus em SP

SÃO PAULO – O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), anunciou no inicio da tarde desta quarta-feira, 9, o reajuste para o salário mínimo paulista. O beneficio, que tem três faixas, ficou em R$ 600 na primeira, R$ 610 na segunda e em R$ 620 na terceira. O piso salarial de servidores públicos do Estado foi para R$ 630.

André Mascarenhas,

09 de fevereiro de 2011 | 17h11

 

 

Segundo o secretario estadual de Emprego e Relações do Trabalho, Davi Zaia, os ganhos estão acima da inflação, que foram de 7,14% na primeira faixa, 7,02% na segunda e 6,9% na terceira. Os servidores tiveram o reajuste de 6,8%. O secretário anunciou também compromisso de, no ano que vem, antecipar a data de dissídio, que passa de 1º de Abril em 2011, para 1º de março em 2012.

 

 

Questionado sobre o aumento no metrô, trens da CPTM e EMTU (ônibus intermunicipais), que foi maior que o ganho concedido aos trabalhadores, Alckmin ponderou que ainda assim os aumentos são “bem abaixo do IGP” e aproveitou para criticar o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM).

 

 

“Nós temos custos específicos, que foram analisados, no caso do metrô, trem e EMTU. Isso é uma análise de custos que foi feita. Ele (reajuste) está bem abaixo do IGP, que chegou a mais de 11%, um pouco acima do IPCA. E bem abaixo do ônibus (São Paulo), que está em R$ 3.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.