Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Alckmin ainda tem muito a crescer, diz Duarte Nogueira

O presidente estadual do PSDB de São Paulo, Duarte Nogueira, afirmou nesta sexta-feira, 18, que a visão do presidente estadual do PT, Emídio de Souza, sobre a última pesquisa Datafolha "é equivocada" e que a aprovação positiva do governo de Geraldo Alckmin (PSDB) mostra que ele ainda pode crescer até as eleições. "Ao contrário do que ele disse o governador ainda tem muito a crescer visto que 84% dos entrevistados avaliam positivamente seu governo, somando os que acham ótimo, bom e regular", disse.

CARLA ARAÚJO, Agência Estado

18 de julho de 2014 | 17h57

Segundo a pesquisa Datafolha, divulgada ontem, Alckmin possui 54% das intenções de voto no Estado, contra 16% de Paulo Skaf (PMDB) e 4% de Alexandre Padilha (PT).

Durante caminhada ao lado de Padilha, hoje pela manhã, na região central de São Paulo, Emídio afirmou que desempenho de Alckmin na pesquisa já era esperado e a trajetória dele deve ser de queda. "Alckmin começou no teto, como sempre começa, é natural", afirmou. "Ele não tem pra onde crescer, é dai pra baixo", completou.

Para Nogueira, a postura do petista não respeita a opinião que os eleitores estão expressando na pesquisa. "Essa fala de desdém em relação à pesquisa é um desrespeito inicial ao eleitor. É um discurso de um partido cujo candidato não conseguiu decolar, de um candidato próximo a inviabilidade", afirmou.

De acordo com o tucano, após o início das propaganda eleitoral gratuita, Alckmin vai terá ainda mais chances de crescer. "Ao contrário dele, o governo de São Paulo não gasta com publicidade e vai ter o horário eleitoral para mostras o trabalho feito e crescer mais", diz. Duarte afirma que o potencial de Alckmin pode chegar a um patamar próximo de 80%. "Tem uma margem de crescimento muito grande além dos 54% que o governador já apresentou. Esse patamar, na verdade, representa 69% dos votos válidos", afirma.

Nogueira rebateu ainda a afirmação feita por Emídio de que a disputa entre o senador Eduardo Suplicy (PT) e o ex-governador José Serra (PSDB) vai "encerrar a carreira" do tucano. "Não me parece o que a primeira pesquisa mostrou. Suplicy é senador há 24 anos e o Serra, que foi senador por apenas um mandato, já esta na frente dele." De acordo com a pesquisa Datafolha, publicada ontem, Serra lidera com 34% das intenções de voto e Suplicy está em segundo lugar, com 29%. "O presidente do PT está analisando inadequadamente o resultado da pesquisa", afirmou.

Nogueira comentou também as declarações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que durante o ato político com Padilha afirmou que o PT foi o partido que mais criou mecanismos para combater a corrupção e que o tema será debatido durante essa campanha. "A gente não debate corrupção, a gente enfrenta e pune, que é o que o poder judiciário fez com os mensaleiros do partido dele."

O tucano disse que diante do pior desempenho de largada do PT em eleições estaduais em São Paulo, Padilha precisaria reiniciar a campanha. "Como o candidato tem inviabilidade eleitoral a única coisa é dar um Control, Alt e del para reiniciar a campanha."

Nogueira rebateu também as promessas de Padilha, que disse que se eleito fará em quatro anos as obras indicadas pela Sabesp há dez anos e que tem afirmado que a crise hídrica no Estado é um resultado de falta de planejamento. "Quem fechou 13.500 leitos dos SUS nos últimos três anos e fez a Aids aumentar ao invés de diminuir não pode falar de planejamento. Ele não fez isso quando ministro", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.