Alckmin afirma que 'PSDB vai continuar' no governo de SP após eleições

Em jantar comemorativo do partido nesta segunda-feira, em São Paulo, governador disse ainda que Aécio terá 'apoio integral' da legenda caso dispute a Presidência em 2014

Ricardo Chapola, O Estado de S. Paulo

02 de setembro de 2013 | 23h44

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse nesta segunda-feira, 2, não ter a menor dúvida de que seu partido "vai continuar" no governo do Estado depois das eleições.

A declaração de Alckmin foi feita em seu discurso durante um jantar comemorativo de 25 anos do PSDB, na capital paulista, e que reuniu líderes dos diretórios municipal e estadual da legenda.

"O PSDB vai continuar aqui em São Paulo. Eu não tenho a menor dúvida disso. Mas temos que arregaçar as mangas. Temos que fortalecer o partido para fazer a diferença", afirmou Alckmin aos tucanos paulistas. Questionado por jornalistas se estaria cantando vitória, Alckmin riu e disse: "Cada coisa vem a seu tempo".

O governador também pediu a união dos partidos da oposição após criticar o governo da presidente Dilma Rousseff. "Precisamos ter humildade. Precisamos estar unidos. Nós somos muito pouco para estarmos desunidos", disse. Alckmin ainda afirmou que, sozinho, o PSDB não vai a lugar algum.

O governador aproveitou a ocasião para pedir apoio ao presidente nacional do partido, o senador Aécio Neves, mas depois negou que estivesse fazendo campanha para a provável candidatura do mineiro à Presidência no ano que vem.

"(No discurso) Disse que precisamos dar todo o apoio ao nosso presidente nacional, Aécio, a Duarte Nogueira, presidente estadual, ao Milton Flavio, presidente municipal. É óbvio que Aécio, sendo amanhã candidato do partido, ele terá apoio integral", afirmou.

Aécio tem franco apoio do partido à sua candidatura, apesar das movimentações do ex-governador José Serra, que não descarta a possibilidade de disputar prévias no ano que vem. Serra avisou a aliados que não compareceria ao jantar.

O jantar desta segunda-feira foi organizado pelos diretórios estadual e municipal do PSDB para celebrar o aniversário do partido e angariar fundos para a sigla. Para levantar fundos, a sigla vendeu cada convite pelo preço de R$ 1 mil. Ao todo, foram vendidos 400.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.