Albuquerque pede a Amorim explicações sobre gravação

A notícia de que o gravador de voz da aeronave que levava o então candidato à presidência Eduardo Campos (PSB) não registrou os instantes finais dos diálogos da cabine de comando causou apreensão na cúpula do PSB, que está em São Paulo para acompanhar o processo de liberação dos corpos das vítimas no acidente.

RICARDO DELLA COLETTA, Estadão Conteúdo

15 de agosto de 2014 | 18h30

O líder do PSB na Câmara e candidato ao Senado, Beto Albuquerque (RS), telefonou nesta sexta-feira, 15, para o ministro da Defesa, Celso Amorim, disse que não considera usual esse tipo de falha e manifestou preocupação com a sequência das investigações.

Albuquerque também disse a Amorim que ligaria para o comandante da Aeronáutica, Juniti Saito, para pedir explicações sobre o caso. O ministro da Defesa respondeu ao parlamentar que isso não era necessário e que ele mesmo falaria com Saito. Em seguida, Amorim pediu ao comandante da Aeronáutica que entrasse em contato com o parlamentar e prestasse as informações que fossem solicitadas por ele ou pelo partido.

Nesta sexta, o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) emitiu comunicado informando que os dados do gravador de voz do avião que caiu em Santos (SP) não correspondem ao voo realizado na quarta. Não foi possível, até o momento, determinar a data dos diálogos registrados pelo gravador, mas eles não correspondem aos instantes finais da aeronave.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.