Ala petista teme confronto entre Dilma e Serra na saúde

A portas fechadas, longe dos holofotes e do discurso eleitoral, os petistas que tratam dos problemas da saúde temem o confronto entre a candidata Dilma Rousseff e o tucano José Serra, governador de São Paulo. Menos de uma hora depois de o 4º Congresso Nacional do PT ter aprovado o projeto de governo para a candidata à Presidência, na sexta-feira, a reportagem do estadao.com.br flagrou uma reunião em que um grupo de petistas revelou temor pela fragilidade com que Dilma discute o tema e pela "vulnerabilidade" como estão entrando no debate eleitoral. O programa aprovado, diziam, "não vale quase nada".

AE, Agencia Estado

22 de fevereiro de 2010 | 13h23

Reunidos em uma sala do segundo andar do Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília, membros do grupo setorial de saúde do PT queixaram-se da gestão da área no governo Luiz Inácio Lula da Silva e fizeram uma série de comentários críticos à ministra-chefe da Casa Civil. Uma das militantes questionou: "Quem é a Dilma para nós, do ponto de vista da militância? Não podemos entrar na campanha vulneráveis como a gente está na saúde."

Participaram do encontro, que foi gravado pela reportagem, o ex-ministro da Saúde Humberto Costa (PE), o secretário de Gestão Estratégica e Participativa da atual equipe do ministério, Antônio Alves de Souza, e outros dirigentes. Uma dirigente disse que ficou espantada com a falta de habilidade da pré-candidata em um debate. "Ela entrou recuada para discutir política social na saúde. Foi um horror. Se o nosso presidente era muito verde quando entrou, imagina a Dilma. Ela vai ser questionada e vai ter de falar sobre o assunto a partir de abril."

Indagado sobre a insatisfação em relação à falta de propostas específicas do programa e quanto à condução do assunto pelo partido, o novo presidente do PT, José Eduardo Dutra, negou qualquer problema. "Isso não procede. É comum que alguns termos não sejam especificados e fiquem de fora. Tivemos reclamações de todos os setoriais." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.