Ala de Geddel já prevê novo embate com petistas na Bahia

Diretório do PMDB no Estado, comandado por irmão do ex-ministro, articula candidatura própria em Salvador

Tiago Décimo, de O Estado de S. Paulo

11 de maio de 2011 | 23h00

SALVADOR - Apesar dos esforços dos principais partidos de oposição ao governo Jaques Wagner (PT) na Bahia - DEM, PSDB, PPS e PMDB - para encontrar um nome de consenso para a disputa eleitoral nas principais cidades do Estado, o presidente do PMDB baiano, Lúcio Vieira Lima, afirmou nesta quarta-feira, 11, que a legenda terá candidato próprio no pleito para a prefeitura de Salvador.

 

O pré-candidato do PT para suceder o prefeito João Henrique Carneiro (PP) em Salvador é o deputado Nelson Pellegrino.

 

"Não vejo problemas em haver vários candidatos, que podem até se unir em segundo turno", afirmou o dirigente do PMDB no Estado, irmão do ex-ministro Geddel Vieira Lima.

 

De acordo com Lúcio Vieira Lima, dois integrantes do partido, o presidente do diretório do PMDB em Salvador, Fábio Mota, e o presidente do Esporte Clube Bahia, o ex-deputado Marcelo Guimarães Filho, já apresentaram suas pré-candidaturas.

 

Muitos integrantes do partido, porém, avaliam que só Geddel, atual vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica Federal, teria possibilidade real de vencer a eleição. "É cedo para falar em nomes", desconversa Geddel.

 

"Não sei se Geddel vai resistir aos apelos dos militantes", admite o irmão. Geddel concorreu ao governo do Estado no ano passado e ficou em terceiro, atrás de Wagner e do ex-governador Paulo Souto (DEM). "O projeto dele é para 2014. De qualquer forma, temos tempo para consultar o partido e tentar chegar a um nome de consenso. O importante é que o PMDB vá unido para a eleição", disse o presidente do diretório baiano.

 

Tudo o que sabemos sobre:
PMDBBahiaPTdisputa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.