Al Qaeda aponta novo chefe interino, diz Al Jazeera

A TV Al Jazeera disse nesta quarta-feira que a Al Qaeda nomeou um líder provisório e um novo chefe de operações depois da morte de Osama bin Laden por forças especiais norte-americanas, citando um correspondente da emissora.

REUTERS

18 de maio de 2011 | 08h59

Segundo uma breve notícia na Al Jazeera, o militante egípcio Saif al-Adel foi nomeado líder interino, enquanto Mustafa al-Yemeni, cuja nacionalidade não foi divulgada, iria chefiar as operações.

Forças especiais dos Estados Unidos mataram Bin Laden, líder da Al Qaeda, a tiros em seu refúgio em um subúrbio da capital paquistanesa no começo deste mês.

Procuradores dos Estados Unidos afirmam que Adel é um dos principais comandantes militares da Al Qaeda e ajudou a planejar os ataques contra as embaixadas dos EUA em Nairóbi e em Dar es Salaam em 1998.

Os procuradores também afirmam que Adel coordenou a instalação de campos de treinamento da Al Qaeda no Sudão e no Afeganistão nos anos 1990.

Um especialista na Al Qaeda disse na terça-feira que Adel provavelmente não agiria como líder da organização.

"Esse cargo que ele assumiu não é como líder geral, mas ele está encarregado dos termos operacionais e militares", explicou Noman Benotman, ex-aliado de Bin Laden que hoje é analista do grupo britânico de pesquisa Quilliam Foundation.

Acreditava-se que Adel havia fugido para o Irã depois da invasão norte-americana no Afeganistão que seguiu os ataques de 11 de setembro de 2001 contra os Estados Unidos, e foi posteriormente mantido sob um tipo de prisão domiciliar na República Islâmica, segundo algumas informações na imprensa.

Segundo a mídia árabe, autoridades iranianas libertaram Adel há cerca de um ano, e ele então voltou à região de fronteira entre o Afeganistão e o Paquistão. Alguns analistas acreditam que Adel pode ter retornado ao Irã ou ao Afeganistão nas últimas semanas.

(Reportagem de Sara Anabtawi e Erika Solomon)

Mais conteúdo sobre:
GERALALQAEDANOVOLIDER*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.