André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Ajuste fiscal é uma obrigação legal, mas não resolve todos os problemas, diz Romero Jucá

Para o senador, soluções estão na recuperação da confiança, da credibilidade e na segurança jurídica do País

ELIZABETH LOPES E PEDRO VENCESLAU, O Estado de S. Paulo

14 de setembro de 2015 | 11h37

São Paulo - O senador Romero Jucá (PMDB-RR) afirmou que os problemas do País, que atravessa um momento de grave crise, não serão resolvidos com o ajuste fiscal. "O ajuste fiscal é uma obrigação legal, que deve ser feito, como diz a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)", destacou, ao participar do seminário Saídas para a Crise, na manhã desta segunda-feira, 14, na capital paulista.

Na avaliação do senador, o Brasil vive um momento de extrema dificuldade. "Eu mesmo tenho sido um crítico da condução do governo", afirmou, ressaltando que os problemas não serão resolvidos apenas com o ajuste fiscal, mas com a recuperação da confiança, da credibilidade e segurança jurídica no País "que o governo jogou fora com (intervenções) no sistema elétrico, BNDES e Petrobrás".

Ele cobrou do governo previsibilidade na economia, destacando que "não dá para ficar no meio da tormenta, com GPS quebrado, sem previsibilidade", porque isso trava a economia e leva as pessoas e o empresariado a colocar o "pior quadro na cabeça", o que é danoso para todos. Para Jucá, o rebaixamento do rating brasileiro S&P agravou ainda mais a situação.

Reforma Política. Romero Jucá lamentou que a Câmara dos Deputados não tenha aprimorado a proposta de reforma política votada no Senado Federal, matéria que ele relatou. "Infelizmente a Câmara não avançou na reforma política votada pelo Senado."

Enquanto os senadores tinham proibido as doações privadas a partidos e a campanhas, a regra aprovada pela Câmara prevê financiamento empresarial a legendas, que repassarão os recursos para os candidatos sem a necessidade de informar a origem do dinheiro. Isso dificulta o rastreamento dos interesses econômicos dentro do Parlamento.

Na avaliação de Jucá, as limitações impostas na lei podem criar um "laranjal" nas doações, como alertou o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, que também participa do mesmo evento. Para o senador peemedebista, é preciso que as regras sejam claras. "O melhor remédio para se combater um vampiro é a luz do sol", disse.

Os senadores também haviam aprovado vários dispositivos que tendiam a reduzir a fragmentação partidária no Congresso - como novas regras para a divisão do Fundo Partidário e fim de coligações para eleições na Câmara - e a fortalecer os maiores partidos, mas esses aspectos foram quase todos eliminados quando os deputados votaram a reforma, na terça-feira passada, 8. 

Tudo o que sabemos sobre:
Romero Jucácriseajuste fiscal

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.