Airbus diz à CPI que não houve falha mecânica em acidente da TAM

O vice-presidente de Segurança de Vôoda Airbus, Yannick Malinge, disse nesta quinta-feira à CPI daCrise Aérea na Câmara que as investigações não apontam nenhumapane mecânica ou falha nos computadores do avião da TAM queexplodiu no dia 17 de julho em São Paulo. "Na primeira análise conjunta (dos registros das caixaspretas do avião) não vemos nenhuma pane. Não houve panemecânica ou falha dos computadores de bordo", disse Malinge,respondendo a uma pergunta do relator Marco Maia (PT-RS). A Airbus é a fabricante da aeronave da TAM que fazia o vôo3204, um Airbus A-320, que explodiu no dia 17 de julho quandotentava pousar no Aeroporto de Congonhas, matando 199 pessoas.Foi o maior desastre da aviação civil brasileira.Malinge disse que considera "prematuro" afirmar que o problemano reverso do motor 2 do Airbus tenha contribuído para aocorrência do acidente. Segundo o vice-presidente de segurança da empresa, osregistros do acidente não indicam que houve falha nofuncionamento dos spoilers (os freios aerodinâmicos que não seabriram na tentativa de pouso) e que o motor número 2 (direito)do avião funcionava acelerando a aeronave, porque este era ocomando correspondente à posição do manete. "As gravações mostram que o avião funcionava normalmente noque diz respeito aos spoilers (...) A turbina número 2funcionava com empuxe, de acordo com a posição do manete",disse Malinge.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.