Ainda na ativa, Agripino, Maciel e Jader têm o benefício

Os senadores Marco Maciel (DEM-PE) e José Agripino Maia (DEM-RN) e o deputado Jader Barbalho (PMDB-PA) são beneficiários de pensões vitalícias em seus Estados como ex-governadores. Eles recebem, respectivamente, R$ 6 mil, R$ 11 mil e R$ 22,1 mil. Hoje, mesmo ocupando cargos públicos, eles não deixaram de embolsar os valores, apesar de receberem salário do Congresso, além de todas as regalias inerentes aos cargos.Seus proventos, hoje, considerando os salários e as pensões, indicam um rendimento de cerca de R$ 24 mil mensais no caso de Maciel, R$ 27 mil no de Agripino Maia e R$ 34 mil para Jader. Sem contar que recebem auxílio-moradia de R$ 3,8 mil, têm disponibilidade de carro oficial e quatro passagens aéreas mensais, além da verba indenizatória de R$ 15 mil, que persiste nas Casas.Maciel governou Pernambuco 1979 a 1982. Chegou à Vice-Presidência da República no governo Fernando Henrique Cardoso. Agripino administrou o Rio Grande do Norte duas vezes, entre 1983 e 1986 e de 1991 a 1994. Jader comandou Pará também em duas ocasiões. A primeira de 1983 a 1987 e a segunda entre 1991 e 1994. Em 2001, foi presidente do Senado.Agripino e Jader estão amparados por legislações de seus Estados, que permitem a remuneração. Já Maciel obteve a pensão ainda em 1982. O benefício foi extinto pela Assembleia de Pernambuco em 1984, mas não houve efeito retroativo. A aposentadoria de Maciel está mantida na folha de pagamento, segundo informou a Secretaria de Administração do Estado.Para Agripino, o benefício serve para "garantir a independência do governador". "É o que diz a Constituição do Estado. A pensão vitalícia a que eu faço jus é da Constituição estadual e nada impede que eu receba essa pensão vitalícia", reagiu. E continuou: "Na minha vida pública, eu não respondo a nenhum processo. Eu não quero nada mais, nada menos do que eu tenho direito." Agripino lembrou ainda que a lei do Rio Grande do Norte é "muito anterior" ao governo dele. "Não há nenhuma circunstância que impeça que o benefício seja concebido", ressaltou.Jader estava em viagem e não foi encontrado pela reportagem no fim da tarde e na noite de sexta-feira para comentar o recebimento das pensões. Já a assessoria de imprensa do senador Marco Maciel não respondeu aos recados deixados em sua caixa postal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.