Ainda é preciso viabilizar o bilhete único, diz Erundina

A candidata da coligação PSB-PMDB à Prefeitura de São Paulo, Luiza Erundina, defendeu hoje, durante sabatina no Grupo Estado, a manutenção do bilhete único implementado no governo de Marta Suplicy (PT). No entanto, ela propôs algumas alterações, ponderando que é preciso viabilizar financeiramente o sistema.Segundo Erundina, o subsídio ao bilhete único provoca um déficit até agora não calculado ou informado à sociedade "e que é insustentável se pensando nesta dívida fantástica que o município tem", comentou. "Os jornais trouxeram outro dia que não há cobertura orçamentária para cerca de 20% deste subsídio. Ao meu ver, isso não tem sido pago, pelo menos para as peruas que complementam o serviço de transporte coletivo", afirmou Erundina.Entre as críticas que Erundina fez ao bilhete, cuja idealização atribuiu ao senador Eduardo Suplicy (PT), ela citou a dificuldade dos passageiros para se locomoverem no período previsto pelo sistema atual. "A gente acha que há inconvenientes em relação às distâncias e sobretudo ao trânsito nesta cidade. Eu não sei se os passageiros conseguem fazer mais de uma viagem em duas horas".Outra alteração sugerida por ela é a integração entre metrô, ônibus e trem, e a extensão do transporte coletivo à região metropolitana. Questionada sobre as eventuais dificuldades que teria na relação com a administração do metrô (do governo estadual), a candidata afirmou que o governador "não tem de ter boa vontade não, ele tem de cumprir sua parte com a cidade de São Paulo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.