AGU vai contratar escritório para recuperar dinheiro desviado para bancos suíços

PGR sugeriu escritório de ex-procurador "cérebro" da investigação no país europeu; governo vai abrir licitação

Fábio Fabrini, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2017 | 19h43

BRASÍLIA - A Advocacia-Geral da União (AGU) vai abrir uma concorrência internacional para escolher um escritório na Suíça que auxilie o Brasil na recuperação de ativos desviados em esquemas de corrupção, principalmente os descobertos na Lava Jato. A seleção será aberta na semana de 17 de julho e poderá resultar na contratação de qualquer empresa que atenda aos critérios técnicos e de preço definidos pelo governo.

A decisão da AGU atende parcialmente ao interesse da Procuradoria-Geral da República (PGR), que, como noticiou o Estado, havia manifestado a intenção de contratar o escritório do ex-procurador suíço Stephan Lenz, que liderava as apurações sobre a Petrobrás e a Odebrecht. Considerado o “cérebro” das investigações sobre o caso brasileiro, ele deixou o Ministério Público local recentemente.

O objetivo da PGR é o de repatriar dinheiro bloqueado em 40 bancos suíços. Uma consulta sobre o assunto foi enviada pela procuradoria à AGU, porque a representação do Brasil no exterior, para esses fins, é feita pelo órgão. No documento, a procuradoria sugere a contratação de Lenz.

A AGU vai verificar quais escritórios estariam aptos a participar da seleção em uma lista a ser apresentada pelo Ministério das Relações Exteriores. Entre os considerados tecnicamente aptos, qualquer um poderá vencê-la. A banca de Stephan Lenz poderá ou não ser a escolhida.

A AGU justifica que a administração pública não pode fazer uma contratação direta nesse caso, pois, no seu entendimento, há outros escritórios aptos a prestar o mesmo serviço.

O Estado consultou a PGR a respeito, mas  não obteve resposta até a publicação da reportagem.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.