AGU tenta recurso contra pagamento de grevistas

A Advocacia-Geral da União entrou no final da tarde com um recurso no Superior Tribunal de Justiça (STJ) contra a decisão do ministro Gilson Dipp que determinava o pagamento de outubro dos professores das Universidades Federais. A AGU justificou o recurso afirmando que "não existe lei regulamentando o direito de greve, sendo legalmente proibido o pagamento dos dias em que os servidores não trabalharam". O recurso foi protocolado no STJ por volta das 18h. De acordo com a assessoria da AGU, ele não tem efeito suspensivo enquanto o Tribunal não se pronunciar sobre ele. A liminar do ministro Dipp, concedida na quinta-feira, determinava o desbloqueio dos bens em 24 horas do salário de outubro dos professores das universidades públicas federais, em greve desde o dia 22 de agosto. As negociações para o fim da greve estão longe de acabar. Atendendo a uma reivindicação dos reitores, o ministro da Educação, Paulo Renato Souza decidiu enviar ao Congresso apenas na segunda-feira o projeto que reajusta em 30% as Gratificações de Estímulo à Docência (GED) e Incentivo à Docência (GID).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.